23/12/2011

Então,é Natal...

Finalmente chegamos ao tempo de celebração mais 'harmônico' e que representa, para nós,crentes,a vinda do nosso Messias a fim de nos proporcionar comunhão com Ele.Abandonando as idéias de que Jesus não nasceu no dia 25 de dezembro, que a celebração é pagã,que não é nada cristã,enfim,celebrar o nascimento do Mestre é,sem dúvidas,uma atitude que não podemos negligenciar.

É nesse tempo,inclusive,que podemos reunir a todos os familiares e fechar o ano na comunhão de nossos familiares.Ótimo momento para celebrar e participar.

Então,a todos os leitores deste blog,Feliz Natal,Boas Festas,e que Deus abençoe rica e poderosamente em nome de Jesus!

20/12/2011

Os sintomas de Laodicéia no contexto da Igreja atual

Quando recebeu as revelações do Apocalipse,João talvez não imaginasse que a amplitude da Mensagem alcançaria a nós atualmente.As cartas às 7 Igrejas da Ásia Menor,contendo as recomendações do próprio Cristo de Deus,bem como as advertências,é hoje,tão aplicável e atual em seu conteúdo que nos leva a sentir temor e tremor a cada momento que nos colocamos a ler o texto sagrado.A atual riqueza que muitos ministérios e líderes se vêem inseridos hoje em dia são de causar espanto a qualquer um,sendo,inclusive,objeto de análise daqueles que não partilham nossa fé.Os sintomas de uma Igreja com as características daquela de Laodicéia,se fazem,a cada momento,mais notórios.

Obtendo um crescimento superior que qualquer multinacional,igrejas desprovidas de uma visão clara em suas filosofias de ministérios (se é que lá existem...), crescem quantitativamente seus rebanhos alimentando-o com o pior que há no evangelho popular que eles adotam em suas mensagens.Pescam o povo com os terríveis enganos dizendo que Cristo veio satisfazer-nos nas nossas vontades mais fúteis e carnais.Valendo-se de um conteúdo teológico mínimo,os pregadores deste evangelho fácil arrebanham para si almas que se rendem a uma mensagem pouco espiritual e desvirtuada do cerne da pregação evangélica,que é o Cristo ressuscitado.A idéia que permeia suas pregações é voltada para as coisas desta terra,desprezando a transformação obtida pelo novo nascimento pelo Espírito Santo.

A igreja rica,porém,miserável,pobre e nua,exposta com seus erros e desvios, retirou gradativamente o fundamento Apostólico [Cristo] e lançou um novo, caracterizado por milhares de milhões em dinheiro e riqueza material.O testemunho de seus líderes é o pior de todos,pois,sendo despreparados para consolidar nas suas ovelhas um povo genuinamente espiritual,vivem com o melhor desta terra obtendo para seu deleite todo o conforto e descanso que o dinheiro é capaz de comprar às custas daqueles a quem deveriam servir,e não serem servidos.

Quando nos chegam as informações de quanto ganha o obreiro destas casas, vemos que o objetivo é simples e a regra é básica:maior arrecadação,maior salário.Pois é,se o 'obreiro' é do tipo que tira o que puder de suas ovelhas,então, é certo que isso lhe garantirá repousar nos pastos verdejantes.Só para se ter  uma noção da malignidade nestes falsos obreiros,um pastor declarou que dependendo da arrecadação,o salário deste pastor pode se fixar em até R$ 20.000,00, considerando que este pastor não é o líder da denominação e sim um regional ou de uma congregação num grande centro onde esteja localizada.Outro dado importante é que um pastor,sem curso de teologia,contando apenas com o segundo grau completo,já recebe nestas denominações,no mínimo, R$ 3.000,00. 

A situação é das piores e prevista no Testemunho Bíblico e Apostólico,uma igreja que está recebendo duras advertências de Cristo,e que não está nem um pouco preocupada com isso.Sobre nós,porém,cabe receber a Palavra revelada a João e ter a certeza que breve veremos o bom Jesus julgando a cada um de nós,não segundo as nossas obras,mas, segundo o nosso temor a Ele e na forma que exercemos este temor que cremos habitar em nós.

09/12/2011

O Tempo da Virada-Reveillon

É comum na virada de ano as pessoas buscarem um refúgio para,junto da família,descansar,refletir,parar por um período.No entanto,quando esse tempo de festa torna-se um pesadelo, ou um desastre, tudo torna-se cinza e luto.Na virada de ano de 2010,com as grandes chuvas,cerca de 50 pessoas morrem naquele tempo que deveria ser de muita alegria e diversão.Em Angra dos Reis,no Estado do Rio,sobram os corpos perdidos nas águas e o choro dos parentes,e dos desconhecidos que se identificaram com o ocorrido.
Pelo fato das 50 mortes,um outro fato passa despercebido:o fato de grandes catástrofes acontecerem justamente nesse período da virada.Por que ,afinal ,muitos dos desatres ocorrem justamente nesse período?Haveria por detrás disso algum fator que determinasse tais manifestações?É mero acaso ou isso é algo que deve chamar a nossa atenção para questões maiores?
À luz da Palavra de Deus,há um propósito em tudo que acontece no mundo,bem como uma força que os ocasiona:Deus,o homem ou o diabo.Não querendo espiritualizar tudo mas muitos dos desastres que ocorrem durante o ano,uma época pode ser dada como certa que eles ocorrerão:o período da virada,exatamente este período.Note o caro leitor que todos os anos algo ocorre,sejam afogamentos,problemas com os fogos, enfim.Tudo isso pode ser atribuido uma ação do próprio Deus,mas vemos que Ele não nos efetuará julgamento aqui mas no fim de todas as coisas.Se acreditarmos que é uma ação do homem também não é um argumento bom pois muitos dos ocorridos envolvem "forças da natureza".Resta-nos uma fonte que satisfaz todas as evidências:o diabo.Vemos que nesse período muitas das casas espíritas e templos que cultuam os orixás fecham-se por algum motivo que não nos é revelado.Todavia a explicação é simples e direta:tais guias vêem nesse período uma grande oportunidade de trazer o mal e a destruição àqueles que tem o seu "corpo aberto".
Notemos que geralmente os afetados com essas assolações são pessoas que não tem qualquer relação com Deus e que ,como diz a Palavra,o deus deles é o ventre.Aqueles que não estão abrigados em Deus são presa fácil para as garras de satanás.A única possibilidade de fuga é estar abrigado em Deus,na rocha inabalável que é Cristo,e,de maneira nenhuma estar associado com estes rituais e festas que convidam os espíritos malignos para habitar na vida do homem.

(Texto adaptado,intitulado anteriormente com:"A PRIMEIRA TRAGÉDIA DE 2010",publicado em 05/01/2010)

26/11/2011

As parteiras,porém,temeram a Deus e não fizeram como o rei do Egito lhes ordenara.

No primeiro capítulo de Êxodo,é apresentada uma preocupação do rei do Egito, tratava-se do crescimento dos homens israelitas em solo egípcio. Debaixo da promessa feita a Abraão, de ser tão numeroso como as areias do mar e como as estrelas dos céus,o povo Eleito crescia grandemente diante dos olhos da nação opressora.O temor era claro e óbvio uma vez que a fertilidade dos Hebreus era superior a dos egípcios,e,isso incomodava o rei da nação, levando-o a planejar meios que levassem a frear esse crescimento.Sabendo que os partos das hebreias era feito por duas hebreias,convocou-as mandando que se fossem meninos,que fossem mortos.

Tomando muitas medidas para impedir o crescimento no nascimento de varões israelitas,Faraó decide mandar ordens às parteiras que matassem os filhos das hebreias,quando nascessem.As ordens do rei seriam cumpridas perfeitamente não fosse algo que operou no interior das duas mulheres.Elas temeram.Talvez as parteiras fizessem aquilo que fora ordenado,mas,nos momentos em que os partos eram realizados,uma compreensão sobrenatural as conduziu a mudar de atitude, mantendo os meninos vivos.Digo que o temor é uma compreensão gerada por Deus(i.e. sobrenatural) pois é um entendimento que nos conduz a tomar ou não um posicionamento.Esse temor impediu que as duas mulheres matassem a Herança de Abraão.

A questão do temor é tão importante nos resultados da nossa fé,que a própria Escritura afirma que quando tememos alcançamos galardão divino(Pv.13.13).Na realidade,todo o nosso dever no nosso relacionamento com Deus resume-se a temer a Ele (Ec.12.13),temer a Deus é o princípio de toda a compreensão espiritual(Pv.1.7).A partir do momento que optamos por agir de modo a ter como objetivo apenas agradar a Deus,ou seja,a temer a Deus,o resultado, inevitavelmente, é ser honrado por Ele com glórias.No caso das parteiras,a atitude delas conduziu os israelitas a um tempo de prosperidade em seu povo e a consolidação da sua herança como Nação.Os resultados do temor a Deus resultam em situações tais como vimos,de reconhecimento por parte do SENHOR.

*  *  *

24/11/2011

É muita unção,meu povo!!!


O pastor Antonio Silva, de Arapongas,trouxe do fundo do baú a unção do sacerdote Arão,sendo derramada ao pastor não pelo Moisés,mas,por seus obreiros,que derramaram 12 litros de óleo sobre o pastor.O mais legal é que o pastor,antes de receber essa unção tremendamente tremenda,ele libera bênçãos e mais bênçãos,amarra diabo;olha,é um festival,ainda invoca um tal de x-nilo em 0:19min  a 0:22min soltando discretamente uma risadinha....

 Eu hein!!

22/11/2011

Ah,a Liberdade Cristã! (Romanos 14)

Quando analisamos alguns textos bíblicos,especialmente os espetáculos de doutrinação Paulinas,vemos que a essência do Evangelho é simples e desprovida de rudimentos tolos e que muitos afirmam fazer algum sentido espiritual. Logo quando a Mensagem do Mestre de Nazaré veio ao mundo, surgiram dúvidas quanto à relação com o judaísmo,se teria autonomia,se seria superior ao Antigo Concerto,ou seja,como se daria o ensino de Cristo,visto como oposto à Lei,uma vez que a Mensagem de Cristo demonstrava a espiritualidade que o povo religioso havia perdido,dando lugar ao formalismo hipócrita.Com o desenrolar da História dos Crentes,vemos que o tronco de Jessé que glorificaria a Deus seria nós mesmos,ainda que não tenhamos conosco o sangue de Abraão.A distinção já se fazia quando era analisado o teor daquilo que Jesus falou.Com os Apóstolos a doutrinação esclareceu que o Evangelho não depende dos rudimentos do AT.

A LIBERTAÇÃO DE RUDIMENTOS PARA VIVER A FÉ
TEXTO BASEADO EM  ROMANOS 14:
 Texto de Gabriel N. Queiroz

Paulo,o Apóstolo,escrevendo aos Romanos,tratou da justificação pela Fé.Colocou a Fé bíblica como o meio único de alcançar a justificação de Deus,ou seja,o único meio de ser alcançado com as misericórdias de Cristo,é exercendo a Fé depositada no fundamento,que é a Palavra de Deus.Já nos primeiros textos,fica claro perceber a distinção que o Apóstolo faz entre os creem,com uma fé madura e sólida,e aqueles que são fracos, aqueles que se apegam a idéias puramente humanas e que não estão de acordo com o ensino bíblico. Entendido como um texto que aconselha suportar os fracos na fé,o texto de Romanos 14 começa levando-nos a compreender que por mais que a Mensagem seja uniforme e igual a todos,a compreensão dela é que se dá de forma plena ou não.Quando o ouvinte da Mensagem confunde-se com idéias de fora do Texto Sagrado, formam-se os crentes fracos a que Paulo se refere.Nesses casos,a tolerância dos mais espirituais deve se manifestar.

O princípio usado para o exercício da tolerância aos fracos na fé é a própria estrutura que nós possuímos, dotada de erros,falhas e preceitos que podem nos levar a assumirmos um papel que não nos cabe,o de julgadores do servo alheio.Sendo compostos da mesma estrutura passível a erros que nosso irmão menos espiritual,não temos autoridade para dosar a fé que outros crentes exercem em Deus,segundo a medida que o Espírito Santo concedeu a cada um.Mesmo nas diferenças no exercício da fé que há nos cretes,Paulo já assegurava que a experiência com Deus é tão pessoal que os resultados produzidos serão notados de forma diferente na vida de cada crente individualmente.Quanto a essas diferenças,cada atitude nossa é um ato individual que glorifica a Deus.Mostrando as posturas no exercício da fé,nas atitudes de fé,vemos que o ensino é abordado pelo Apóstolo dos gentios como algo opcional e de iniciativa do indivíduo,não uma reivindicação divina,mas,uma postura adotada com o fim de manifestar a fé espiritual,materializando-a.

Interessante  que no momento que adotamos um modo de expressar nossa fé a Deus,a ênfase não deve ser o ato em si,mas,a devoção que nos moveu a realizar tal atitude ou a não realizar outras.Não serão nossas atitudes que evidenciarão,por si mesmas,uma fé que,porventura,tenhamos em Deus.Paulo vai além do cumprimento de uma série de leis e doutrinas como forma de justificação diante de Cristo,afirmando que tanto a morte como a vida do crente é para Deus.Em outras Palavras Paulo disse que mesmos os opostos quando realizados pelo servo fiel,Deus recebe,aceita e justifica.No meio das atitudes,porém,a única restrição é quanto ao zelo das Escrituras,não devendo passar por cima desta com o pretexto de usar a fé.

O ponto mais alto de Romanos 14 é,sem dúvidas,o momento em que Paulo declara que  "o Reino não consiste em comida ou bebida(...)",no vers.17.Desmistificando um evangelho carregado de dogmas,o Apóstolo mostra a simplicidade na conduta cristã,devendo ser exercida de maneira puríssima no sentido de que nos aproximamos de Deus e mudamos naturalmente a nossa conduta.Certo é,porém,que a edificação mútua dos crentes como povo de Deus deve ser o foco nisso tudo.Na tentativa de manifestar uma fé viva, ativa,gloriosa,a única recomendação de Paulo é não desamparar o nosso irmão,mostrando que a nossa atitude com Deus,em termos de comunhão,passa,inevitavelmente,na maneira que nós nos relacionamos e nos dispomos aos nossos irmãos.A afirmativa proposta é claramente observada nos versículos 19 a 21,onde até mesmo nossa devoção a Deus deve possuir traços da comunhão cristã,sendo dosada por ela.

*  *  *

13/11/2011

Jesus e o paralítico de Betesda


Numa de suas caminhadas,Cristo chega a um dos tanques de Jerusalém conhecido como Betesda.Situado junto à Porta das Ovelhas,esse reservatório de água,que significa 'casa de misericórdia divina',era tido ,nos tempos de Cristo,como um lugar de peregrinação,visto por muitos como um local onde suas águas tinham poder sobrenatural de cura.Dada a agitação das águas,aquele que mergulhasse primeiro seria plenamente curado de suas moléstias.O agitar das águas era visto como algo operado por um anjo de Deus que descia a realizar o movimento,conferindo,assim,às águas características de virtude sobrenatural.Em meio este cenário de peregrinação havia toda sorte de enfermos e miseráveis, coxos, paralíticos, cegos,todos esperando ansiosamente o movimento das águas a fim de mergulhar e ser curado.É bom lembrar que não há menção no Texto Sagrado que,de fato,haviam as curas,certo é,porém, que muitos passavam anos aguardando sua vez de mergulhar e subir curado.Esse é o caso de um paralítico que veremos.

Jesus sobe a Jerusalém,ao Norte,chegando ao Tanque de Betesda,local abarrotado de enfermos e um em especial lhe chama atenção.A sensibilidade do Mestre de Nazaré,que é incomparável,se fez presente de uma forma muito especial,onde,vendo aquele paralítico deitado,notou que sua situação necessitava de misericórdia e favor.Jesus,tendo suas características divinas,sabia o tempo que ele estava naquela situação,o qual era muito, e,voltando-se ao homem,fez uma pergunta simples e óbvia,disse:'Queres ficar são?'.Mas que pergunta,é claro que sim! A resposta foi positiva como bem sabemos,mas,o que mais chama a atenção é o complemento da resposta que o homem deu,veja:'...não tenho homem algum que ,quando a água é agitada,me coloque no tanque...' O homem tinha suas forças voltadas totalmente àquele local,tido como sagrado,poderoso. Sua esperança de cura era restrita totalmente àquele processo:desce o anjo,move a água,mergulha um enfermo.Inúmeras vezes ele viu isso acontecer,e o pior,não acontecia com ele pois ele não tinha alguém que o ajudasse,não acontecia porque ele não tinha um intercessor.Vendo Cristo face a face,olhando nos olhos de Bom Mestre,não cogitou a hipótese de receber seu milagre das mão do Messias.

Durante anos,vidas se perderam,deixando de serem vividas pelo simples fato de fincar suas raízes num lugar onde a única garantia que era dada era uma crença sem respaldo lógico ou bíblico.O paralítico que discursou com Jesus Cristo passou 38 anos tendo sua fé voltada para um tanque que,diga-se de passagem,não tinha ligação com o judaísmo.Numa análise do tanque em si mesmo,vemos que os arqueólogos descobriram nas escavações que esse tanque era ligado ao santuário do deus da cura.Não era um ambiente exclusivamente judaico.As águas que corriam pelo tanque saíam desse complexo do santuário desse deus da cura e por isso,acreditava-se que tinha poderes sobrenaturais.Prova disso é que o próprio Mestre não mandou que o homem mergulhasse no tanque,curando-o na borda.

O paralítico pôs sua esperança de cura num ritual místico,o qual arrancou de si os 38 anos que perdera naquela esperança.Cristo volta-se para aquele homem sabendo disso e mostra que a esperança,que a fé quando posta sobre um fundamento de corrupção espiritual cega e torna o homem miserável em sua existência.Prova disto é que quando Cristo pergunta se ele quer a cura,em sua resposta o homem não consegue desassociar o milagre ao tanque,ou seja,a ele a única perspectiva da vida dele no tocante a sua cura,e a consequente retomada de sua vida,era o tanque que tinha poderes sobrenaturais.O tanque,ou a esperança nele,tirou daquele homem até a percepção de com quem conversava,de quem era o que lhe falava.Considerando que aquele homem permanecia naqueles termos,naquele local religiosamente,não seria errado imaginar que a fama de Cristo houvesse chagado ali como aquele que tinha autoridade sobre as enfermidades.Alguns dos que estavam no local certamente largaram o tanque em busca de Cristo e forma curados,certamente,muito embora a bíblia não relate os casos.Analise a seguir aquilo que o homem carregava:
  • Ritualismo-Seguia um rito no qual o centro de todo seu culto estava voltado a este local tido como capaz de curar as enfermidades;
  • Ligação com o misticismo-A possibilidade de ligar-se com o espiritual por meio destes rituais, deixou o paralítico cego para sua própria vida buscando algo sobrenatural de ordem divina;
  • Esperança destrutiva-Baseando sua existência unicamente na possibilidade de alcançar favor divino, abriu mão de sua própria vida a fim de viver a esperança em algo que a única comprovação era sua fé,irracional a qual tornou-o cego para todo o resto de sua vida.
Cristo,veio nos libertar da maldição da lei,veio libertar-nos da escravidão de nós mesmos,viu naquele momento,outra libertação,a libertação dos rituais que para nada prestam,incluindo os rituais que não correspondiam a Lei.Através da cura daquele homem,os que participavam daquele rito,tiveram a possibilidade de entender que não seriam as águas de um templo pagão que trariam cura e uma nova perspectiva de vida a eles,seria,antes,o encontro pessoal com o Cristo que mudaria completamente a vida de todos.Como aquele homem,muitos têm vivido esperando num ritual que mudará suas vidas,num movimento que revolucionará tudo,em algo temporal que,acreditam,mudará suas vidas,mas,como ao paralítico,Cristo não somente estende a pergunta,Cristo garante a cura e o milagre que mudará pra sempre o rumo da história de cada um.O homem,como sabemos,foi curado completamente,a esperança foi mudada,o foco espiritual agora era Cristo,e não mais águas que supostamente trariam transformação.A vida daquele homem foi mudada não somente pelas misericórdias de Jesus,mas, para mostrar que toda aquela esperança estava baseada em algo que não era agradável a Deus,mostrou aos outros que só Cristo é a real fonte de cura e restauração para todos nós.

(BASEADO EM JOÃO 5.1-15)
*  *  *


11/11/2011

Uma porção de Favor


22 E eis que uma mulher cananéia, provinda daquelas cercania, clamava, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de mim, que minha filha está horrivelmente endemoninhada.23 Contudo ele não lhe respondeu palavra. Chegando-se, pois, a ele os seus discípulos, rogavam-lhe, dizendo: Despede-a, porque vem clamando atrás de nós.24 Respondeu-lhes ele: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.25 Então veio ela e, adorando-o, disse: Senhor, socorre-me.26 Ele, porém, respondeu: Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos.27 Ao que ela disse: Sim, Senhor, mas até os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos.28 Então respondeu Jesus, e disse-lhe: Ó mulher, grande é a tua fé! seja-te feito como queres. E desde aquela hora sua filha ficou sã.
(Mateus 15)


Jesus seguia suas pregações rumo a Tiro e Sidom,Tiro era um posto marítimo dos tempos e,com certeza,de muita importância nos tempos de Cristo,um local chave na propagação da mensagem evangélica,muito embora não fizesse parte de Israel.No percurso, seguia o Mestre uma mulher cananeia,ou seja,fazia parte daqueles que eram designados por Deus,nos tempos de Moisés,de sentença mortal para conquista da terra de Canaã.Como sabemos,os israelitas não cumpriram essa ordem e muitos dos povos que não deveriam estar habitando na terra,foram permitidos pelos judeus,por não destruírem esses povos.Sendo descendente deste grupo,era óbvio que não se inseria no plano original de salvação de Cristo,que era voltado aos judeus.Sofrendo com uma filha endemoninhada miseravelmente,clamou as misericórdias de Cristo,e teve seu pedido negado a princípio pois como dissemos,não era para este momento a salvação dos não judeus,mas,apegando-se unicamente na fé,na crença irrefutável que Cristo tinha poder para restituir-lhe sanidade e libertação à filha,manteve sua posição e foi respondida.

Era comum enquanto Cristo caminhava rumo a missões,ser abordado por pessoas desconhecidas que viam naquele momento a oportunidade de vivenciar milagres.Jesus respondeu negativamente à mulher pois seu ministério incluía a restauração de Israel como povo de Deus(Amós 9.11),o propósito original de redenção era para o povo filho de Abraão,portador da promessa de Deus e não aos gentios(v.24).Com a crescente degradação de Israel como povo escolhido,foi necessário,por meio de Cristo, restaurar o tabernáculo de Davi que estava caído,apartado de Deus.A mulher,entendendo o ministério de Jesus,deu a resposta crucial para que seu milagre fosse possível.Após ser colocada de lado pelo Mestre,a mulher desesperada disse:"... também os cachorrinhos comem das migalhas..." Imagine que ela não queria o banquete que os judeus dispunham,ela entendia que a libertação de sua filha era apenas migalha,se comparado com aquilo que aos filhos estava reservado.Percebendo que aquilo que Cristo realizava eram manifestações patentes da manifestação de Deus, confessou que sua fé era capaz de ter algo pequeno do poder de Deus.

Lendo o texto,vou me atrever dizer que Cristo foi surpreendido com a resposta daquela mulher.A mulher captou o pensamento de Jesus,a vontade do Mestre,mas,ao mesmo tempo,onde a Lei não lhe era favorável, exerceu sua fé e alcançou misericórdia diante de Cristo.É interessante porque há duas formas de sermos recebidos por Deus: pela Justiça ou pela Misericórdia.Pela Justiça quando temos uma vida no altar,de retidão,voltada para fazer aquilo que Deus nos designou; já pela Misericórdia,é quando não temos méritos nenhum diante de Deus e,mesmo assim,por meio do Sangue de Jesus,somos recebidos e aceitos.No caso da mulher,as misericórdias foram suficientes para alcançar a bênção.

A Mensagem que Cristo passou,sendo respondida pela mulher foi simplesmente fenomenal porque nos mostra e nos traz uma percepção daquilo que temos de realizar para que o impossível aconteça mesmo em tempos que contamos unicamente com um pedido tímido ao SENHOR.Como a cananeia,devemos estar dispostos a responder com fé a Cristo naquilo que nos impede de receber as misericórdias de Deus.Aquela mulher clamou estando disposta a receber apenas uma porção de todo aquele favor que Cristo põe à disposição.

25/10/2011

Reforma Protestante em comemoração

Os luteranos do Brasil iniciaram as comemorações rumo aos 500 anos de Reforma.No último dia 18 de Outubro em Porto Alegre,a Igreja Evangélica Luterana do Brasil e a Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil,iniciaram as comemorações pelos 500 anos da Reforma Protestante.Contando com cerca de 160 pessoas entre autoridades civis e eclesiásticas.A solenidade teve como abertura o Hino Castelo Forte,pelo Grupo Cantabile.

As comemorações pelos 500 anos acontecerão até 31 de Outubro de 2017,sendo marcada por seminários com o Tema,a criação da Praça de Lutero,em Porto Alegre e uma Caminhada Luterana.

O evento mostrou a diferença entre o tempo luterano e a época em que vivemos,contando com a presença de inúmeras personalidades,líderes,viu-se ainda,o arcebispo da igreja Católica,evidenciando que se queremos reviver alguma coisa daquele tempo,assim tá difícil,uma vez que ICAR não sofreu a Reforma,pela qual Lutero lutou.

Nota :Na seção Videos,veja o vídeo comemorativo da Reforma.

22/10/2011

Igrejas Cristãs oficialmente extintas no Afeganistão

O cristianismo no Afeganistão se faz presente desde os primeiros séculos da era cristã.Já no século 14 o cristianismo vem sofrendo declínio,chegando ao ponto de,no regime Talibã,ver seus missionários serem expulsos,Igrejas destruídas e limitação da operação do povo de Deus em realizar sua missão de sal e Luz.Uma vez que o Talibã inicia seu governo no Afeganistão,institui uma religião teocrática baseada na Sharia,segundo sua interpretação.O retrato da Igreja Afegã não é dos melhores se analisado o fato de,embora haja crescimento das conversões, esse crescimento não acompanha a doutrinação bíblica,uma vez que há repressão contínua aos que se convertem à fé evangélica.Tamanha é a dificuldade de desenvolver uma fé oposta ao regime muçulmano que observamos o rigor da Lei àqueles que buscam uma religião distinta.Isso fica patente no art.3 da constituição que diz:"Nenhuma lei pode ser contrária à crença da sagrada religião do Islã.".Uma vez que todos os afegãos são considerados islâmicos,a apostasia (abandono da fé ) e a consequente conversão a outra religião,podem levar o réu a morte como resultado da condenação.

Nessa semana,porém,vimos uma notícia muito triste e digna de oração e intercessão,dizendo que a Igreja Cristã,como instituição,havia sido extintas oficialmente segundo dados do Relatório do Departamento de Estado dos EUA,mostrando que o Afeganistão não conta mais com Igrejas (templos) abertos a público,não tem instituições de ensino cristãs,rádio,tv,nada.Sobre a lembrança da estrutura da Igreja Afegã recai apenas as ruínas daquilo que um dia serviu de espaço deste povo apostólico.Embora o regime Talibã tenha sido derrotado pelos EUA,a evolução nos direitos Humanos não alcançaram ritmos satisfatórios.

Se,porém,por um lado a estrutura da Igreja está inexistente,por outro,a Igreja vive crescimento,tem conversões,a Igreja experimenta a vida que emana do Cristo.Sabendo que nós somos o edifício de Cristo,nós somos a Igreja,é que os cristãos de lá tem vivido,apesar das limitações e impedimentos.Devido os impedimentos,tais crentes são extremamente cuidadosos no exercício de sua fé, sabendo que aqueles que os entregarão aos tribunais serão principalmente seus próprio familiares.

O mais irônico de toda essa situação é o fato de num país temos irmãos perseguidos, mortos, sentenciados e repudiados unica e exclusivamente por uma característica que também possuímos: a marca de Cristo. Enquanto temos liberdade para pregar,falar,ir e vir a Igreja a hora que queremos,temos irmãos tendo de se esconder por ser crente.Enquanto aqui o neófito seria conhecido com crente,bíblia,ou até fanático na pior das hipóteses aqui,lá ele será chamado de apóstata,infiel,numa sociedade que já determina,segundo a vontade de "Alá",segundo a vontade de Deus,que rumos seus filhos devem seguir.

Outro ponto interessante é que até mesmo a designação -Alá-já foi foco de discussões e motivo de perseguição na Malásia,tendo de ser julgado o direito ou não dos crentes chamarem a Deus de Alá,uma vez que não há outro nome equivalente para "Deus".Uma vez julgada a sentença,o mais alto tribunal da Malásia determinou que os cristãos também tem o direito de se referir ao seu Deus como Alá.Não é necessário dizer que os muçulmanos não se viram satisfeitos pois consideram que o nome Alá pertence a eles exclusivamente e incendiaram igrejas como protesto.Numa clara demonstração da perseguição de nossos irmãos,enquanto nós estamos numa situação muito confortável...

18/10/2011

Santa Reforma Protestante,onde está vosso tesouro?


Já perto do 31 de Outubro,sou impelido a lembrar-me da Reforma Protestante iniciada por Lutero.Lembrada pela maioria como apenas um evento histórico que quebrou os paradigmas católicos e retirou o mundo das trevas,esquecemos que o maior legado que a Reforma nos proporcionou foi,sem dúvidas,a volta ao cenáculo apostólico.Através de uma reflexão bíblica e verdadeira,Lutero mostrou-nos que os rudimentos nos quais estávamos inseridos eram incompatíveis com o preceito bíblico e era possível um relacionamento pessoal com Deus sem as imposições católicas.Lembrar do dia 31 de Outubro de 1517 é muito mais que considerar que Lutero foi o Elias de uma geração dominada pelo engano espiritual,é,antes,avaliar nossas posturas,valores, e o próprio cristianismo que estamos vivendo em nossos dias.Quando iniciou o movimento,afiançado exclusivamente pelo Espírito Santo e sendo direcionado por Ele,Lutero viu a idéia básica da fé,definido como Os Cinco Solas,ser confirmada pela ação divina a seu favor.

Observando a fundo os motivos da Reforma,vemos que desde o período apostólico até o evento das 95 Teses, o Cristianismo autêntico sempre se manteve ardente no meio dos crentes,mesmo após o apogeu do catolicismo romano,iniciado com Constantino,unindo a então Igreja de Cristo a Roma,falindo,assim,no propósito básico de ter Cristo acima de sua Igreja.Mesmo com esse casamento malígno,os fiéis se mantiveram na fé genuína,opondo-se aos gradativos desvios doutrinários.Nomes importantes que foram fundamentais para manter a pureza da Igreja,pouco são lembrados hoje,sequer são mencionados nos púlpitos e Escolas Dominicais,lembro-me,por exemplo,de John Wycliffe,precursor da Reforma,Jon Huss,que proclamou uma das mais fortes profecias do espírito de alguém que está com a vida no Altar,à beira de ser queimado disse: "Vocês  hoje estão queimando um ganso(seu nome na língua boemia) mas dentro de um século se encontrarão com um cisne,e este cisne não poderão queimar." Essa profecia é muito bem aplicada a Lutero quando 102 anos mais tarde fixou as 95 Teses em Wittemberg,este cisne não puderam calar.

O discurso dos Reformadores da Igreja,é tão indispensável a nós,hoje,como o foi há séculos antes.Já não é uma ruptura com o catolicismo que necessitamos,mas,uma ruptura com os rumos que o Protestantismo tem seguido nestes últimos tempos.Vemos toda sorte de idéias,práticas,pregações e filosofias que não são legítimas ao arraial cristão.Como em Wittemberg,necessitamos visualizar nas portas da Catedral as teses que se fundamentam no Evangelho,é preciso que observemos muito bem o caminho que temos seguido,pensando que é o caminho divino,e voltar à ideologia forjada no cristianismo autêntico.O interessante quando leio sobre os Heróis da Fé,é que todos eles tinham uma idéia firmada e que não admitia espaço para um meio termo,não admitiam que de alguma forma fizessem parcerias com o mundo,não,de maneira nenhuma,ou era ou não era e pronto.Não se punham entre dois pensamentos,a idéia era uma só.

Lembrando da Reforma Protestante,eu me pergunto onde ela foi parar e quando sua essência será percebida por nós.Em meio a uma fé vazia que põe nossas vontades no centro de tudo,desprezando a vontade de Deus,vemos que as multidões marcham rumo a um céu de ouro e cristal [aqui] na terra.Já não são os bens espirituais que valem alguma coisa,já não é o testemunho cristão que deve fazer parte da vida dos crentes,mas,onde os valores se inverteram há corrupção,e é isso que vemos por aí.Pregações totalmente opostas ao ensino evangélico,valendo-se do inconcebível para atrair as multidões.Como em 1517,é imperativo a essência que muitos tem perdido:




  • Sola fide (somente a fé);
  • Sola scriptura (somente a Escritura);
  • Solus Christus (somente Cristo);
  • Sola gratia (somente a graça);
  • Soli Deo gloria (glória somente a Deus).

  •                                         Deus abençoe... e Feliz Reforma...
    * * *

    04/10/2011

    Condenação por ser Rei dos Judeus

    "26 Por cima dele estava escrito o título da sua acusação: O REI DOS JUDEUS."
    Marcos 15


    Quando lemos os textos sagrados,observamos que no sentido espiritual,quando Cristo é sentenciado à morte,ele recebe esta sentença porque era o cordeiro de Deus,separado com a finalidade de levar os pecados da humanidade,e,dessa forma,ser açoitado e morto de forma vil e terrível era o cumprimento do rito que mostrava a atuação dele como aquele que leva o pecado do mundo.Entretanto,ao observarmos atentamente o relato bíblico,atentamos para um relato especial do entendimento legal da condenação humana de Cristo.Se, por um lado,ele havia sido condenado por levar os pecados nossos,por outro,aqueles que o condenaram,só o fizeram por um único motivo:por ele ser o Rei dos Judeus.Essa era a sentença pela qual os homens o condenaram.Não foram os milagres no sábado,as curas na sinagoga,o perdão da pecadora,dos samaritanos,que o colocaram no banco dos réus,não.A única coisa que o condenou foi ser o SENHOR de seus acusadores.

    Não achando acusações contra o Messias,o condenaram por ele ser quem,de fato,era,Rei dos Judeus,aquele que foi descrito, muito antes de Pilatos proferir sentenças,muito antes de César estabelecer seus governos,em Isaías 9.6 e Salmo 2.6,como Cristo aquele que seria o Senhor de todas as coisas.Pilatos ao observar toda balbúrdia iniciada pelo incômodo dos religiosos pela pregação de um que se dizia [pensavam os céticos] o Cristo,não perde a oportunidade de perturbar os religiosos com o reconhecimento pessoal de que ele era,visto pelo governante,como aquele que veio anunciar o ano aceitável de Deus.Desprezando o clamor dos incircuncisos de coração,Pilatos responde firmemente:'O que escrevi,escrevi' (João 19.22).Imaginem que não havia temor nenhum no impenitente governador em reconhecer o governo daquele que era apenas o réu naquela situação toda.

    O grande problema,porém,é que muitos temos tido o mesmo comportamento daqueles que nos precederam, agimos com a marca de que Cristo é o Rei,é o SENHOR,mas,não o tiramos da cruz,não o transportamos entregando tudo a Ele em reconhecimento de seu poder e governo.Sobre ele estava sua acusação e a acusação era unicamente ser o Rei de seus acusadores,ainda hoje Cristo tem sido  colocado como o nosso 'rei' e não o deixamos governar nosso ser,não o colocamos como o dominador de tudo.Ele tem sido reconhecido como nosso SENHOR,mas, de SENHOR nosso,ele só tem a inscrição,só tem uma breve anotação,apenas uma memória... Era o mesmo que acontecia com os judeus religiosos que o condenaram,eles tinham algo que assegurava que eram de Cristo,que Cristo governava aquele povo,mas,na verdade,sabemos que não era bem assim.Havia uma inscrição dizendo o governo dele,mas,só a inscrição...

    26/09/2011

    Manuscritos do Mar Morto on Line pelo Google

    A gigante Google em seu mais recente projeto põe à disposição dos internautas a mais célebres das descobertas recentes,os Pergaminhos do Mar Morto.Hospedado em http://dss.collections.imj.org.il/,o projeto tem os cinco pergaminhos na íntegra com tradução para o inglês,o que será estendido posteriormente a outros idiomas.Aqueles que dispõe do Google Chrome,tem uma ferramente que o traduz ao português sem esforços.
    De resolução ótima,os textos podem ser acessados facilmente ao longo desta página de fácil acesso.O projeto,realizado com a parceria fundamental do Museu de Israel,digitaliza todo o conteúdo aos interessados, contendo ainda os comentários,vídeos e as descrições de cada rolagem.Contrastando com a visita ao Museu, onde está abrigado o Conjunto de Obras,o 'visitante on line' pode visualizar com muita qualidade os pergaminhos,fato que seria impossível devido os cuidados com as obras.

    23/09/2011

    A DOUTRINA DO ARREBATAMENTO



    A doutrina do Arrebatamento é,para a Igreja,a base na qual se fundamenta a esperança que nos livrará deste presente século e nos conduzirá para eventos nos quais a Glória de Deus nos será revelada em Sua santa presença.Quando falamos na questão do Arrebatamento,há mais dúvidas que convicções corretas daquilo que realmente é essa Doutrina fundamental da Fé Cristã,que é independente de rótulos denominacionais,ou segmentos teológicos.A Teologia,porém,não nos ajuda,pois,como sabemos,são várias as escolas de interpretação,que não conduzem o povo ao real pensamento que envolve as Doutrinas Apocalípticas.A nossa intenção não é trazer várias formas de pensamento ou inundar o leitor com 'teologismos' ou teologias,pois,agindo dessa forma,teremos inúmeras dúvidas e questionamentos intermináveis.A nossa proposta é trazer aquilo que entendemos ser a apresentação correta de uma Doutrina fundamental estabelecida pelo próprio Mestre,quando alertou os Doze acerca deste tempo mal e dominado por potestades alheias à nossa vontade.Entendamos,pois,de que se trata este tema que é mencionado inúmeras vezes pela Bíblia Sagrada.
    1-O QUE É ARREBATAMENTO?
    A palavra é definida pelo Aurélio como arrancar,levar,e trazido para o sentido bíblico é o momento que,em sua segunda vinda,Cristo tira os fiéis desta terra,levando-nos ao Seu encontro nos ares.Lembre-se que quando Cristo ascendeu aos céus,muitos se maravilharam do evento e dois anjos disseram que não se maravilhassem daquele evento que Cristo é recebido em glória aos céus,mas,entendessem que ele mesmo voltaria (At.1.11).Essa vinda ,ou segunda vinda, de Cristo tem o propósito de livrar os fiéis daquilo que será a ira de Deus a este mundo corrupto,note que Cristo virá sem relação com o pecado(Hb.9.28),ou seja, quando ele vier,ou voltar,não será para trazer uma outra mensagem,ou reformar a Igreja(embora não fosse má idéia!!),não, quando ele vier será unicamente para livrar seu povo do momento que Deus fará da mesma forma que fez com as cidades corruptas de Sodoma e Gomorra,ou no caso de Noé. Livrará os fiéis e trará o juízo que é destinado a esta Terra(2 Pe.3.7,12).
    Vemos que o Arrebatamento é o primeiro de uma série de eventos que levará ao fim de todas as coisas e estabelecerá o Governo de Deus em Novos Céus e Nova Terra.A idéia de termos um Arrebatamento anterior a eventos como Grande Tribulação é muito bem colocada nas Escrituras,dizendo que nós não fomos destinados à ira(1 Ts.5.9),na realidade,o arrebatamento se dará com o intuito de livrar o povo de Deus,é um livramento daquilo que seguirá os anos posteriores a este evento.
    2-QUANDO OCORRERÁ?
    É impossível ao mais entendido teólogo determinar o tempo exato da vinda de Cristo no Arrebatamento.A Bíblia não dá respaldo nenhum para que afirmemos o tempo que virá o SENHOR,quanto a isso,as Escrituras apresentam apenas sinais que evidenciariam o tempo que Cristo se manifestaria em glória.Acerca dos sinais,muitas Parábolas foram trazidas por Jesus a fim de explicar sobre o tema.Algumas Parábolas:
    • Servo Vigilante(Lc.12.35-48):Essa Parábola é apresentada colocando os fiéis de Cristo como servos que receberam a incumbência de tomar cuidados da propriedade de seu Senhor,com a responsabilidade de se manterem vigilantes e atentos à vinda dele.De modo repentino e inesperado,num momento de muito esfriamento,ou sonolência espiritual(v.38) dificultará ainda mais a espera,tirando até mesmo o foco;
    • As dez Minas(Lc.19.1-27):As dez minas são,na verdade,moedas de ouro,que simbolizam talentos que devem ser utilizados na transmissão do Reino de Deus pelos fiéis;
    • As Árvores(Lc.21.29-31):Comparando Israel a Figueira,Cristo aconselha que observemos o desenrolar da história Israelita e o cumprimento das profecias a ela relacionadas.Quando fala de brotar,quer dizer que as promessas e profecias relacionadas a Israel que começam a se cumprir anunciam o advento de Jesus.Note,contudo,que a recomendação não se restringe à Figueira somente,mas,'as outras árvores',povos e nações que rodeiam a Terra santa;
    • As dez Virgens(Mt.25.1-12):Falando de como devemos estar na vinda dele,Cristo enfatiza primordialmente a vigilância e,nessa parábola,a individualidade do Arrebatamento;trata como sendo de responsabilidade pessoal a preparação para este momento.Dado o desconhecimento da Vinda,faz-se necessário contínuo preparo nosso.
    Então,o cenário apresentado por Jesus Cristo nas Parábolas Escatológicas,não é um cenário muito animador,pois,mostra a realidade que muitos crentes,apesar de crerem em Jesus,não subirão por se encontrarem despreparados no momento do Advento do Mestre.
    3-O CENÁRIO MORAL ANTERIOR:
    Na mente de muitos crentes,é fácil associar a questão do arrebatamento a um anterior 'avivamento' que acontecerá.O único problema desse pensamento é que,embora muito bonitinho,não é o que Cristo revela acerca desse tempo.Analisando o discurso de Cristo nas Mensagens Escatológicas que tratou,é fácil observar que ele associa o tempo do fim a um cenário de uma operação maciça de um espírito de engano que operará em muitos,principalmente em crentes nominais e desprovidos de espiritualidade verdadeira.Não fosse apenas esse espírito de engano,que é próprio do anti-Cristo(2 Ts. 2.7) os valeres,a cultura, a política,tudo converge a um ambiente que favoreça o espírito do anti-Cristo.Paralelo ao engano,a Terra será assolada com fenômenos espantosos,guerras,fomes e pestes ao redor do Globo.Esse cenário,na realidade,reflete o fruto do pensamento de muitos nesse tempo.Será a postura do homem que trará tudo isso.A operação do espírito do anti-Cristo levará muitos a pensar de modo destrutivo e que culminará no resgate do fiéis,com o arrebatamento.
    Afastados de Deus,a única certeza é que adotaremos uma postura que nos conduzirá à ruína,certamente.Muitos têm tido uma série de ruínas justamente porque desprezam a presença do Espírito Santo em suas vidas,o que,por si só,já atrai a presença do mal a si.O cenário moral pré-arrebatamento é,como dissemos,um cenário desfavorável à atuação da Igreja Apostólica principalmente porque sufocará a missão da Igreja,que consiste em testemunhar de Cristo como sal da terra e luz do mundo,trazendo aos crentes fiéis um momento quase impossível de testemunhar de Jesus.Visando abreviar os tempos,afim de impedir que os crentes se dispersem(Mt.24.22),Jesus traz o maior e mais enigmático evento escatológico do mundo:o arrebatamento da Igreja de Cristo(Lc.21.28).Para a Igreja,esse tempo anterior ao arrebatamento será de intensa perseguição e assolação dos crentes,Jesus usa o termo "sereis odiados" em Mt.24.9,para definir o que será à Igreja esse tempo.A observação de Cristo é tão profunda que adverte até dos que nos rodeiam,mostrando que até nossos familiares nos terão como inimigos e serão capazes até de matar-nos(Lc.21.16).
    No campo do sentimento,haverá,também,uma forte quebra no afeto que,porventura, houvesse.Jesus menciona que o amor de muitos se esfriará pela atuação devastadora da iniquidade(Mt.24.12).Os sentimentos amorosos,afetuosos,que ainda sentimos uns pelos outros,mesmo os não crentes,ainda sentem, não serão muito comuns nesse tempo.Na contramão disso,o clamor do Espírito é a fim de voltarmos ao ponto da queda e exercitar aquilo que é fruto espiritual como o amor(Ap.2.4-5).
    3.1-Dias de Noé:
    Como não será a primeira vez de uma visitação terrível do nosso Deus,os exemplos são retomados e nos fazem refletir.O primeiro caso é o dos dias de Noé,o segundo,trata-se dos dias de Ló.Incrivelmente essas duas situações se encaixam perfeita e minuciosamente no contexto do Arrebatamento,pois simplesmente,as posturas do homem pecador não sofrem ou sofreram no decorrer desse tempo todo.Então,podemos observar que em meio a proclamação de um juízo iminente poucos foram aqueles que deram ouvidos e se renderam à pregação evangélica,não será diferente no arrebatamento.
    Todos conhecemos desde sempre a história de Noé,que não é fábula,mas uma certa manifestação do exercício da fé com a fidelidade divina.De modo indiferente ao apelo espiritual que Deus tem proclamado há tempos,pela Igreja,os homens seguindo o exemplo dos contemporâneos de Noé,tratarão dos assuntos mais fúteis de suas vidas e continuarão seguindo seus próprios caminhos e fazendo planejamentos.À semelhança dos dias de Noé seguirão suas vidas normalmente  e não darão a mínima atenção àqueles que se propuserem a pregar a mensagem,cerrarão seus ouvidos e farão suas vontades carnais,em detrimento da vontade divina(Mt.24.38-39).Note que no vers.39 fica claro que somente se deram conta quando a ira de Deus começou a se manifestar.Da mesma maneira,não sentirão falta da Igreja,somente quando as taças da ira de Deus começarem a ser derramadas é que perguntarão pelo povo barulhento que aplacava o mal enquanto estava na Terra(2Ts.2.7).
    3.2-Dias de Ló:
    Os dias de Ló são relatados de forma muito detalhada,não só em Gênesis,mas,por toda a Bíblia vemos que o tema é usado pra mostrar alguns princípios tanto de Deus para com o homem como do homem para com ele mesmo,apartado da presença de Deus.Quando a criatura está oposta aos valores e princípios divinos, age de maneira abominável pondo-se contrário a sua natureza,humilhando-se saindo da posição de domínio que o SENHOR a colocou.Os dias de Ló são revelados como dias onde uniões homossexuais eram demasiadamente comuns,onde o sexo era feito sem princípios,de maneira completamente carnal e depravada(Rm.1.26-27).
    A terra onde vivia o sobrinho de Abraão,estava completamente assolada por uma vida desregrada que era marca daquela geração iníqua(Gn.19.1-9).Tamanha era a operação do engano nos daquela terra que até mesmo os da casa de Ló duvidavam daquilo que ele havia dito da parte dos anjos que o visitara(Gn.19.14). Aquele espírito de engano e corrupção estava estrando até mesmo na casa daquele piedoso homem.Por essa experiência,vemos que os valores e idéias fomentadas no mundo,podem,mesmo que sejamos contrários a elas,entrar em nossas casas e impedir até mesmo um livramento de Deus.Não fosse a imensurável misericórdia de Deus,certamente alguns,senão todos,da casa de Ló ficariam na cidade e seriam alvo de julgamento(Gn.19.16-17).
    4-Arrebatamento e Segunda Vinda:
    Muitos questionam ou se enrolam na hora de entender e diferenciar o que é o Arrebatamento da Igreja e a Segunda Vinda de Cristo para julgar a Humanidade.Seguem baixo as diferenças de cada evento:
    1)ARREBATAMENTO:
    • Será em segredo,isto é,um mistério ao mundo(Mt.24.36);
    • Cristo vem para a Igreja(1 Ts.4.17);
    • É antes da Grande Tribulação(Ap.3.10);
    • Os incrédulos serão deixados(Mt.24.40).
    2)SEGUNDA VINDA DE CRISTO:
    • Será pública(Ap.1.7);
    • Cristo vem com a Igreja(Jd.14);
    • Após a Tribulação(Mt.24.29-30);
    • Cristo pisa literalmente no Monte das Oliveiras (Zc.14.4).
    Entendemos,portanto que os eventos relacionados ao Tempo do Fim seguem uma harmonia na qual inicia-se com o Arrebatamento da Igreja,seguindo-se de Tribulação aos que ficarem,tendo como senhor do mundo o anti-Cristo,que perseguirá os crentes que ficarem e também os judeus que se convertem nesse período de dores.Após a Tribulação é o Julgamento das Nações pelo Cordeiro (Cristo),e,posteriormente,o Reino Milenial de Jesus com satanás amarrado,sendo solto posteriormente a testar a fé dos que participarem do Milênio e,pasmem,muitos serão enganados pelo diabo e seguirão a ele,sendo,no fim de todas as coisas,lançados no inferno,os que não creem,e aos que creem,redenção eterna com Jesus Cristo nos céus.
    Conclusão:
    Como a advertência do Noivo:"vigiai,pois não sabeis o dia,nem a hora"(Mateus 24.42).façamos desta recomendação o revestimento da nossa fé.

    12/09/2011

    A astúcia destruidora do profeta velho contra um simples Homem de Deus

    (Texto editado em 13/Dezembro/2015)

    A Astúcia do profeta velho contra um simples Homem de Deus:
    (1 Reis 13)
    O idólatra rei de Israel,Jeroboão,exercia seu governo com inúmeras e severas restrições da parte de Deus.Podemos citar como exemplo a mais notória,que foi ter o seu governo marcado por uma ruptura na hegemonia política e teocrática do Estado de Israel.Via-se o rei governando apenas para o reino do Norte,Israel,que era o centro político da Nação,todavia,a parte mais importante, que era a espiritual,com o local de culto e devoção dos israelitas não fazia parte do domínio de Jeroboão,o centro do culto dos israelitas era em Judá.Aquele homem,como todos os governantes de Israel contava com seus colaboradores,grupo que incluía sacerdotes,profetas,empresários, levitas e etc. que era a elite israelita,aquela que podia trazer ao rei benefícios importantes e lhe garantir,teoricamente,uma boa gestão.

    Como vimos,a situação do Reino do Norte não era das melhores,pois possuía um rei inclinado à idolatria e uma conduta que não agradava ao SENHOR e,ao mesmo tempo,um colégio profético que era bem tendencioso quanto aos interesses de um rei sem espiritualidade agradável.Para o infortúnio desse personagem que não correspondia às reivindicações divinas,aparece em seu caminho,no meio de um sacrifício hipócrita realizado por ele mesmo,um homem nomeado apenas de 'Homem de Deus',ou numa tradução menos tradicional,Profeta.O rei seguia o ritual judaico como muitos nesse tempo,vivendo segundo aquilo que desagrada a Deus,mas,mantendo a forma de culto exterior na qual foram ensinados.Seguem tendo uma conduta corrompida,miserável, contudo,não abrem mão da observância de cultos quando preciso.Jeroboão estava lá realizando mais um sacrifício quando surge este homem desconhecido.A habitação do profeta era em Judá (Reino do Sul),mas,por uma ordem de Deus,seguiu caminho a Betel cumprir um envio divino.

    Lá estava o culto todo preparado,um altar de pedras lavradas (ou não?),incenso,e o sacrifício. Tudo parecia correr muito bem naquela festa feita pelo rei,não sendo do calendário judaico,mas, não impediu que ocorresse.Ofertou seu sacrifício e logo aquele profeta,com muita autoridade, trouxe a advertência divina,não para o rei,mas,profetizando contra aquele altar de baal transvestido de santuário de Deus.Proferiu sentenças sobre toda aquela situação de quebra de aliança com Deus,uma vez que eram os bezerros de ouro que estavam recebendo toa a adoração dos filhos de Israel e o sacrifício de Jeroboão.A profecia incluiu uma revelação futura que mencionava o rei que faria as reformas necessárias da parte de Deus,que era Josias(v.2),profecia que se cumpriu cerca de 300 anos depois(2 Rs.23.15-20).Quando percebeu que um da casa de Judá proferia juízos contra sua casa,o rei não pensou duas vezes e mandou que o prendessem(v.4),o que o fazendo e estendendo sua mão,teve seu braço paralisado por levantar-se contra o homem de Deus(v.4.b),as confirmações,porém,não ficaram por aí,o altar onde era feito o sacrifício,caiu por terra,espalhando as cinzas daquele sacrifício a baal(v.5).Fora difícil ao rei ver naquele homem,forasteiro e simples,desconhecido até no nome,ver em seu semblante as características de um verdadeiro profeta,foi somente no momento do juízo que ele viu que Deus era com ele e confirmava sua mensagem.Vendo-se paralisado,não restava mais dúvidas que aquele era um verdadeiro profeta,naquela oportunidade,o rei pediu misericórdia ao profeta e que o mesmo orasse por ele,restituindo-lhe as funções do braço.Orando o profeta,Jeroboão sarou completamente.

    Terminado todo aquele momento,foi a vez do rei usar de suas habilidades e convencer o profeta de que,ao menos,comesse com ele e a resposta foi uma declaração forte da autoridade confiada a ele:"Mas o homem de Deus respondeu ao rei: Ainda que me desses metade da tua casa, não iria contigo, nem comeria pão, nem beberia água neste lugar."(v.8).E seguiu o seu caminho.

    O ponto,porém,mais interessante de 1 Reis 13 é,sem,dúvidas,o segundo momento desse profeta desconhecido,que é seu encontro com o profeta velho de Betel.É bom notar que o homem de Deus já seguia seu caminho rumo a Judá conforme designou o SENHOR,mas,quando ouve da presença de um profeta em Betel,o profeta velho vai rumo à presença do homem.Sendo já conhecido por muitos,aquele profeta chega ao homem e lhe oferece comida.Ora,o profeta certamente estava faminto após a viagem e os momentos cansativos com o rei,mas,tendo em mente a ordem divina,manteve-se fiel em não se corromper com a comida desta terra.Expôs essa questão ao profeta velho e,usando de engano,o velho diz:"Respondeu-lhe o outro: Eu também sou profeta como tu, e um anjo me falou por ordem do Senhor, dizendo: Faze-o voltar contigo a tua casa, para que coma pão e beba água. Mas mentia-lhe."(v.18).Como pode isso? o profeta respeitado mentindo? a troco de que? A resposta,pessoal, é muito simples: fascinado pelo poder e reconhecimento obtidos ao longo de sua carreira como 'vaso de profundidade' usou de engano para ter em sua casa a figura que trouxe medo ao rei e saiu honrado de Israel.

    Como o velho profeta disse que 'Deus mandou',o homem não desconfiou e seguiu o velho profeta. Afinal de contas,como duvidar de uma personalidade que há tanto tempo milita na causa de Deus? seria um sacrilégio pensar que alguém que tanto empreendeu,que tanto lutou pelo Mandamento,pelo Evangelho,poderia de alguma forma usar sua voz profética para enganar alguém! Foi justamente o que aconteceu,meu amigo! uma pessoa que foi instrumento de valor na causa divina,agora é uma pessoa que,como raposa velha,prepara e espera um momento oportuno para ver seus desejos concretizados,mesmo que opostos à vontade soberana de Deus.Quem sofreu com isso,foi o simples homem que venceu Jeroboão,desprezou aquilo que Deus ordenara e trouxe para si sentença terrível,veja:"23 E, havendo eles comido e bebido, albardou o jumento para o profeta que fizera voltar.24 Este, pois, se foi, e um leão o encontrou no caminho, e o matou; o seu cadáver ficou estendido no caminho, e o jumento estava parado junto a ele, e também o leão estava junto ao cadáver.".Imagine a ironia que ocorre nisso tudo,num primeiro momento Deus confirma de forma poderosa a mensagem que sai de seus lábios e,por sair da vontade de Deus,é alvo de superior sentença por parte do próprio Deus que o confirmara.Depois disso tudo,o profeta velho foi ver seu trabalho e a palavra que ele libera é algo terrível e motivo de reflexão:"26 Quando o profeta que o fizera voltar do caminho ouviu isto, disse: É o homem de Deus, que foi rebelde à palavra do Senhor; por isso o Senhor o entregou ao leão, que o despedaçou e matou, segundo a palavra que o Senhor lhe dissera."Agora podemos ver que uma pessoa com sensibilidade espiritual,forjada no 'fogo de Jeová',tem,sim,se não assumir uma conduta de homem de Deus,uma conduta destrutiva e que leva até mesmo à morte de verdadeiros Homens de Deus.


    08/09/2011

    Quando Temos Atitudes de Fé com o SENHOR


    As Escrituras revelam que é por meio da fé que somos aceitos por Deus e entramos em Sua presença Santa e gloriosa(Hb.11.6),logo,o que chama a atenção de Deus no momento que o buscamos é a nossa fé,a nossa crença correta Naquele que,de fato Ele é.Não somente para estarmos na presença Dele faz-se necessária a fé,mas,também,para uma vida na qual nos regozijemos e no alegremos,com todos os benefícios que o Altíssimo nos coloca à disposição.Quando analisamos aquilo que a fé produz e é capaz de nos fazer alcançar,vemos que o impossível logo é lançado por terra pelo simples uso da fé apostólica que Cristo nos ensinou e que muitos dos homens de Deus do AT. tiveram,captando a essência da fé,que seria revelada por Cristo posteriormente.
    Veja,então,que a fé,quando materializada,é capaz de,nas Palavras de Cristo,mover montanhas e fazer secar figueiras(Mt.21.21-22).Note que não basta ter fé,pois,como sabemos,até mesmo os demônios crêem em Cristo,sabem quem ele é e nem por isso são abençoados,eles tem fé,contudo, não a exercem materializando-a de forma que glorifique a Deus(Tg.2.19).A verdade é que o que fez a figueira secar em Mateus 21,foi a declaração de Cristo amaldiçoando-a,ou seja,ele usou a fé que possuía e,pela fé,declarou que aquela figueira não mais produziria fruto algum.A Palavra associada à fé produziu milagres naquele dia por meio daquele sinal de juízo.Na realidade, em todos os milagres que Jesus realizou são facilmente identificados os elementos que trouxeram à existência o impossível.Analise,por exemplo,Marcos 7.32-37,onde é apresentado a Cristo um surdo-gago,na situação,Jesus operou de forma diferente,mas,quanto ao uso da fé foi a mesma dinâmica.Num dado momento do episódio,Jesus"erguendo os olhos ao céu, suspirou e disse-lhe: Efatá; isto é Abre-te."(v.34).É certo que o homem poderia simplesmente ter voltado a ouvir perfeitamente simplesmente por chegar ao Mestre,no entanto,em todo momento que os milagres aconteceram fez-se necessário ao menos uma declaração profética a fim de exercer essa fé que já existe.Bom,após Jesus declarar o 'Efatá'-abrete-o homem teve aquela enfermidade expulsa de seu corpo.
    O ministério de Cristo foi marcado por milagres,isso todos sabemos,mas,o que pouco observamos é que todos,ou pelo menos a maioria,dos milagres que ele empreendeu em seu ministério envolveu curas de enfermidades.A dúvida de muitos é se Deus tem interesse em operar milagres distintos a esse tema.Será que Deus tem interesse apenas em curar-nos de moléstias e males físicos que nos assolam?Não teria o Altíssimo interesse em conceder-nos conquistas em áreas diferentes da nossa vida?
    A resposta,que parece óbvia,num primeiro momento,pode ser respondida à luz de Hebreu 11,que revela aquilo que a fé é capaz de conquistar.Veja,então aquilo que a fé é capaz de alcançar quando exercida de forma correta diante de Deus:
    • ALCANÇAMOS BOM TESTEMUNHO(v.2):O 'bom testemunho' deve ser entendido como conseguir a aprovação de Deus.Então,por meio dela,diante de Deus somos aprovados e recebidos;
    • PELA FÉ O SACRIFÍCIO DE CAIM É SUPERADO(v.4):A diferença contida no sacrifício de Caim e Abel é a fé incondicional que Abel tinha,em outras palavras,Abel sacrificava mais que simplesmente os cordeiros,sacrificava sua vida,estava disposto a ofertar o melhor que possuía.Mesmo com sua morte,seu sacrifício,mesmo morto,foi superior ao de Caim;
    • PELA FÉ A MORTE É DESTRUÍDA(v.5):Como possuía uma fé que agradava grandemente a Deus,Enoque viu Deus quebrar uma lei natural e universal aos homens,como resultado de sua fidelidade que exercia perante Deus;
    • PELA FÉ HÁ LIVRAMENTO(v.7):A sentença de Deus aos contemporâneos de Noé era geral e irrevogável.A conduta irrepreensível que o homem de Deus possuía livrou não somente a ele,mas,também,a sua família.É importante notar que a bíblia não diz se os filhos e noras de Noé eram fiéis a Deus,a única certeza é que a nossa fé produz livramentos naqueles que nos cercam;
    • QUEBRA DE ESTERILIDADE(v.11):Discorrendo sobre Abraão,o pai da fé,o nome de Sara é citado e torna-se exemplo glorioso do agir de Deus pela NOSSA FÉ.O único que tinha fé nas promessas divinas era o próprio Abraão,sua esposa duvidou até das palavras do anjo!(Gn 12.18),foi a fé do patriarca que interferiu na situação de esterilidade de sua esposa.
    A conclusão do escritor aos Hebreus faz todo o sentido dizendo que faltaria tempo para falar de todos aqueles que usaram a fé e alcançaram suas vitórias e foram capazes de grandes feitos em seu tempo.É dessa forma que Deus quer que aconteça conosco,de uma maneira que quebre os limites da razão e sejamos capazes de grandes conquistas espirituais e em campos diversos da nossa vida.

    ***

    03/09/2011

    Precisamos de Salvação!


    Falar num tema tão difícil como este em nossos dias é,sem dúvidas,apregoar uma mensagem desconhecida a um povo impenitente que não teme a Deus nem mesmo aos homens.A Salvação,que um dia foi o cerne da Pregação Evangélica,não se trata de uma simples filosofia ou coisa do tipo,mas,na realidade,uma proposta espiritual onde Deus,por meio do sangue de Cristo torna-se aquele que concede essa dádiva espiritual à vida daquele que crê.Sobre nós,porém,a verdade é que não pedimos as circunstâncias nas quais vivemos ou as quais estamos expostos todos os dias.Sabendo disso,Deus nos concede sua misericórdia de duas formas distintas e inseparáveis:a misericórdia e o livre-arbítrio.Veja que Deus não nos obriga a seguir no caminho espiritual que Ele nos propõe(concede o livre-arbítrio) e,ao mesmo tempo,não nos entrega aos erros nos quais  estamos mergulhados(tem misericórdia de nós).
    A cada um de nós está apresentada a proposta divina:bênção ou maldição,vida ou morte,salvação ou condenação eternas.Em meio a proposta do Altíssimo,nós,que estamos sujeitos aos rumos que nossas atitudes nos levam,muitas vezes optamos por seguir um caminho que não será aquele que nos conduzirá a uma eternidade na presença do Santo de Israel.Muito mais que curas,milagres e sinais milagrosos no céu e na terra, Cristo,que é o motivo que nos concede perfeita remissão,por seu sangue vertido na cruz do Calvário,assegurou e mostrou que a nós,homens,não há verdadeiro proveito em desprezar a fé salvífica, apegando-se a esta terra vil e pecaminosa,confiando em suas riquezas e bens transitórios e meramente carnais. Cristo ensinou que não adianta absolutamente nada comer o melhor desta terra e,ao mesmo tempo,não ser participante das riquezas espirituais reservadas àqueles que baseiam sua fé e conduta na fé apostólica apresentada pelo Cordeiro.
    O tema salvação há muito tempo banalizado,deve ser entendido como sair de um território maligno de delitos e pecados,que nos conduzirão à condenação,para um território onde o propósito de ouro é submeter-se ao projeto original de Deus a nós todos em santificação para a entrada no Reino de Deus.Ora,se então,a salvação é caracterizada por sair de um território de derrota espiritual  para um lugar de submissão à vontade de Deus,o que caracteriza,na vida daquele que crê,essa salvação?Veja:
    • Remissão completa de todos os pecados(Lucas 1.77);
    • Remissor universal e imutável-Cristo(Atos 4.12);
    • Mensagem salvífica baseada em algo firme,conciso e de autoria do Remissor(Romanos 1.16);
    • Salvação disponível a todos(Tito 2.11);
    • Demanda obediência (Hebreus 5.9);
    • A Salvação Eterna lança por terra o nosso opositor(Apocalipse 12.10).
    O propósito espiritual dessa salvação concedida pelo Messias,traz,como vimos,uma série de garantias, exigências e dádivas que o próprio Deus assegura trazer-nos.Vislumbrar promessas que o SENHOR se compromete a cumprir de forma amorosa nos mostra o quanto é,para Deus,importante e valiosa a nossa salvação,o quanto é valioso para Deus o momento que optamos por seguir em fé na presença Dele.Lembremo-nos que a nossa salvação foi o motivo pelo qual Jesus assumiu a forma humana e se humilhou em forma de criatura(João 3.16).
    Mesmo observando toda sorte de bênçãos que Deus derrama no momento que nos rendemos a seus pés, buscando salvação,muitos de nós não tomamos posse das garantias espirituais que são obtidas por meio da salvação que nos é ofertada.Cabe a nós assumir a nossa posição e receber,pela fé,a salvação conferida por Cristo no momento de sua morte na Cruz do Calvário.Tamanho foi o preço que foi pago que não seria justo,  depois dessa demonstração de amor,rejeitarmos toda a glória desse evento espiritual que afetou, de alguma forma,toda a humanidade pecadora.
    ***

    01/09/2011

    A Cruz-As Dificuldades na Trajetória do Cristão Autêntico


    Se eu fosse neo-pentecostal,com certeza a idéia de cruz e perseguições como fruto da fidelidade,não fariam parte de mim,no entanto,buscando fazer parte do Evangelho completo de Cristo,não podemos negligenciar aquilo que,de fato,é uma realidade espiritual na vida daqueles que depositam sinceramente a fé no Messias enviado por Deus para nossa redenção.A trajetória cristã é,segundo Jesus,marcada tanto pelos sinais,prodígios e maravilhas,quanto pela oposição do mundo à nós simplesmente pela fé que professamos(Mt.16.24 e Mc.16.17). Note,caro leitor que,ao mesmo tempo que somos perseguidos por viver uma fé profética e apostólica,Jesus garante que manifestações sobrenaturais da parte do Espírito Santo ocorrerá e confirmará a nossa fé no Cristo.No último capítulo do Evangelho de Marcos vemos esse princípio espiritual acompanhando os discípulos em meio ao cumprimento do Ide ordenado por Jesus,veja:

    "20 Eles, pois, saindo, pregaram por toda parte, cooperando com eles o Senhor, e confirmando a palavra com os sinais que os acompanhavam."(Mc.16.20).

    Logo que os Apóstolos seguiram para o propósito designado por Deus os sinais os acompanharam e,dessa forma dinâmica, a pregação apostólica não consistiu em fábulas ou história para persuadir o povo,antes,como genuína Palavra de Deus,foi revestida de unção do Alto e foi confirmada pelos Céus(1Co.2.4).De uma maneira bem explícita,Deus,através dos discípulos,operou a confirmação de Sua Palavra e,como na revelação ao profeta,a Palavra que saiu da boca do Altíssimo não voltou vazia,fez a vontade dEle e se cumpriu (e cumprirá)  a vontade de Deus (Is.55.11).Então,os sinais nos acompanham,é verdade,mas,o mesmo pode ser impedido por uma ação nossa,em detrimento daquilo que foi designado pelo SENHOR.Veja,por exemplo,o relato em Marcos 9.38-40,onde os discípulos movidos pelo individualismo egoísta,repreendem alguém que utilizava o Nome de Jesus para fazer milagres.A resposta do Mestre é enfática dizendo que não o proibissem pois se tais sinais acontecem,é porque a confissão deste homem é condizente com a mensagem de salvação;no vers.39 Jesus diz que é impossível alguém usar o nome Dele com o intuito de milagres e,ao mesmo tempo,profanar a santidade de sua glória.Então,agindo ou pregando de forma contraria ao preceito designado por Deus,nenhum sinal se fará pelas nossas mãos.

    Quando tocamos no assunto 'cruz' logo somos impelidos a pensar em 'carma','maldição', algo que seria uma praga que, obrigatoriamente, e sem nenhum motivo aparente, teríamos de carregar em nossa vida. Longe de representar o real significado do emprego da palavra cruz na mensagem de Cristo,essa percepção de maldição não condiz com aquilo que Jesus se referia quando mencionou essa oposição que nos seguiria.Aliás,na realidade,todas as maldições que agiam (ou porventura ajam) nas nossas vidas,foram quebradas e despedaçadas pela unção de Deus(Is.10.27).Quando fala a respeito do Messias,Isaías não limita a operação de Seu sangue e mostra que o mal que era nosso,o lixo espiritual com o qual satanás nos oprimia, na cruz,Cristo se encarregou de levar e pagar sentenças de morte e opressões do diabo(Is.53.4-5).Então, se estamos carregando um legado satânico é bom que entendamos que Jesus Cristo venceu muito mais que a morte naquela sexta-feira,Ele venceu toda arma preparada contra nós e nos deu vitória por seu sangue.Se havia morte e luto,já não haverá mais opróbrio,vergonha,pois Deus nos garante que concede que assentemo-nos à mesa com o Cordeiro e sejamos reconhecidos como filhos de Deus e,portanto,livres de toda opressão e maldição.Como Deus disse a Josué, Ele nos diz:" Hoje revolvi de sobre vós o opróbrio do Egito"(Js.5.9).Aleluia!

    Voltando para a questão de cruz,já vimos que não é carma nenhum,trata-se de uma oposição do mundo a nós pela confissão e opção que fizemos por Cristo e por sua Palavra.João,em sua primeira epístola universal,nos diz que o mundo,com sua cultura e preceitos contrários a Deus, em verdade nos odeia(1Jo.3.13).O próprio SENHOR Jesus provou,por si mesmo,que uma vida de obediência a Deus traz a fúria deste mundo(Jo.15.18).Essa fúria do mundo se deu em Jesus por meio de crucificação,quanto maior a dedicação ao SENHOR em santidade,maior a oposição.Um dos motivos pelos quais Jesus foi crucificado é justamente porque sua conduta de separação espiritual não satisfazia aquilo que o mundo busca do caráter do homem(Jo.15.19;17.14).

    A nossa cruz consiste principalmente em crucificar nossa natureza humana,dando lugar ao Espírito Santo a fim de nos levar a uma vida de santidade a Deus. Não consiste absolutamente em adotar alguma postura ou costume, não! na realidade, consiste em despojar-nos de uma natureza vil e maldita para um novo nascimento, em água e Espírito,segundo a vontade de Deus.

    31/08/2011

    Igreja,Cultura e Secularismo-O pós Modernismo e suas sutis operações nos crentes



    Quando olhamos para os rumos que levaram o passado a construir uma história de glórias,vemos que é incontestável a atuação de um pensamento coletivo que moveu a sociedade da época a tomar atitudes que levaram a História a ser conhecida por nós como ela é.É inegável que o pensamento e a forma de interpretar o mundo em que vivemos é determinante para as atitudes que iremos tomar diante das situações que se nos apresentam.A geração que vivemos é caracterizada por muitos estudiosos como Pós Moderna.Trazer uma explicação desse termo tão lindo é difícil pois não há consenso entre o que,de fato,representa e o que engloba.Decerto o único consenso é que essa Era, que tem sua Gênese após a queda do Muro de Berlim,engloba uma postura do Homem voltada mais para o seu próprio ser,sem,contudo,descobrir mais de si mesmo,é uma postura individualista, ansiando cumprir seus desejos e,o ponto mais perigoso à Igreja é a secularização causada pelo relativismo moral e ético que é característico desse tempo trabalhoso que vivemos.Tratando o conceito de certo e errado baseando-se unicamente no senso comum,a opinião bibliológica não é tratada como regra de fé,e,não somente de fé,mas,também,de conduta e comportamento.

    Em cada período da História humana vemos formas variadas de comportamento por parte dos grupos que nos precederam.É interessante notar que em todo tempo houveram e existiram os grupos que vemos hoje em dia,fizeram parte das sociedades anteriores a nós.Como pois,explicar o crescimento de algumas culturas que eram,até bem pouco tempo,hostis a nossa compreensão e estranhas ao nosso conceito de certo e errado?É sabido que o movimento LGBT,o movimento de Ateus, e grupos que eram tidos como de menor expressão,já existiam e eram,ainda que limitadamente,organizados entre si.A crescente influência que tais grupos,ou tais culturas, tem trazido aos outros grupos é fruto de uma característica básica desse tempo que é a tolerância (muitas vezes aparente eu sei!) que os outros grupos tem exercido perante as demais culturas existentes nessa sociedade.Quem imaginaria,por exemplo,que a Pregação Evangélica poderia ser incrivelmente compatível com as posturas adotadas por homossexuais (ainda que,biblicamente, incompatível...)?A mesclagem ou cruzamento entre idéias tão opostas evidencia claramente que as ideologias adotadas e defendidas veementemente por nossos antecessores não foi preservada,em sua essência,por uma geração que tem na "coexistência" a convivência pacífica entre diferentes formas de pensamento e expressão desse pensamento.Nessa adaptação ou importação de conceitos de outros grupos fica claro que o objetivo magno é alcançar adeptos para este ou aquele grupo.

    Quando falamos em pós Modernidade e Igreja, temos um choque profundo que influencia, atualmente,muitos crentes e seguidores do evangelho pregado por muitos.Desprezando a forma de governo apostólico,que é baseado nas Escrituras Sagradas,muitos tem guiado sua vida unicamente naquilo que julga ser,para si,o melhor e mais correto.Com a existência 'pacífica' entre as diferentes formas de pensamento e culturas da sociedade os conceitos adotados pela Igreja tornaram-se,para muitos,dignos de revisão e adaptação para fins diversos.A migração de idéias, como resultado de uma crise nas ideologias não teve na Igreja oposição justamente porque,para muitos,a Cruz referida por Jesus Cristo não é aprazível(na verdade nunca foi!) e,por isso,ficou ainda mais fácil abrir mão de usos e costumes que faziam parte da cultura evangélica do grupo chamado Protestante.O maior de todos os problemas,porém, não é abrir mão dos usos e costumes,até aí tudo bem,o problema é quando a doutrina,que é imutável,torna-se objeto de livre interpretação baseada não em regras ortodoxas e convencionais,mas,em uma resposta que venha satisfazer a necessidade deste ou daquele grupo.É na Doutrina que vemos o maior problema de uma sociedade pós Moderna,numa igreja pós Moderna,que põe em descrédito a Mensagem que diz defender.

    16/08/2011

    "Evangélicos sem Igreja"- Crer sem Pertencer


    Não é de hoje que temos visto crentes que não tem nenhum vínculo com denominação eclesiástica. Conhecidos como "desigrejados" por muitos, estes 'irmãos', segundo pesquisa do IBGE (preliminar), seguem preceitos e rituais sem, contudo, pertencer a uma denominação. Um exemplo clássico dessa postura é o casal Kaká e sua esposa Carol, que saíram da Renascer no fim de 2010 e, desde então, não pertencem a nenhuma Igreja. Seguem este exemplo algo em torno de 14% daqueles que se declararam evangélicos no Brasil.O número,representa um aumento de 10% em relação ao último resultado.Estes,que não pertencem a nenhuma denominação,tomaram esta postura por diversos motivos,que não foram esclarecidos pela pesquisa,no entanto,como sabemos,o cristianismo é a religião que mais possuem desistentes em todo o mundo,ou seja,é no nosso meio religioso que o maior número de afastados se concentra.
    O movimento vem tomando força por se mostrar muito intenso em nossa sociedade.Em matéria veiculada na Época de Agosto de 2010,o tema foi tratado(com erros,claro!) mostrando a desilusão que leva muitos crentes a não pertencer a uma denominação. Tamanha é a complexidade disso tudo que até mesmo foi criada uma nomenclatura para a definir,sendo designado pela socióloga britânica Grace Davie como 'crer sem pertencer',eles não frequentam igrejas,ou se curvam a lideranças,seja bispo, apostolo, pastor, evangelista, missionário, etc, etc,etc...
    O problema dessa postura é que ela se mostra anti-bíblica,anti cristã e,obviamente,uma demonstração clara de não submissão à autoridade apostólica conferida por Jesus ao edificar sua Igreja,é,na realidade,o pecado da rebeldia.A recomendação de Paulo vai na contra mão dessa postura anti denominacionalismo afirmando e recomendando:
    "25 não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia."(Hebreus 10)
    A postura adotada por tais pessoas é errada e não faz parte do cumprimento efetivo do Evangelho de Jesus Cristo.Sair da cobertura pastoral,apostólica,é ir contra o mandamento de Cristo:
    "18 Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do hades não prevalecerão contra ela"(Mateus 16)
    "15 Depois de terem comido, perguntou Jesus a Simão Pedro: Simão Pedro: Simão, filho de João, amas-me mais do que estes? Respondeu-lhe: Sim, Senhor; tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeirinhos."(João 21)
    Deus Abençoe...
    ***

    13/08/2011

    Necessário vos é Nascer de Novo-Nascer da Água e do Espírito Santo

    Certamente um dos encontros mais célebres que Jesus teve em sua caminhada terrena foi,sem dúvidas,a tida com Nicodemos,importante mestre da Lei que,simplesmente, desconhecia as reinvidicações espirituais contidas nas Escrituras.O interessante de quando os fariseus estavam junto do Mestre é que procuravam extrair-lhe alguma porção de sabedoria a fim de se tornar foco da pregação de seus sábados na sinagoga.Jesus em sua demostração de ensinador das coisas espirituais,revelava princípios que os mais entendidos não tinham noção nenhuma.Na palestra que teve com Nicodemos ficou patente a importância que o Mestre dava ao acesso a um Reino Celestial. Desprezando debates inúteis trazia a nós,e a eles,como ser aceito por Deus e ter perfeito acesso a um Reino de glória eterna.Falando de como ser aceito pelo Altíssimo tocou num dos temas que se tornaria o cerne da pregação apostólica e,também,o ponto inicial de toda pregação messiânica,se tratava justamente do 'nascer de novo'.
    1-Entendendo o Termo usado pelo Mestre:
    Quando Jesus Cristo falou da questão de nascer de novo estava tratando de uma situação conhecida por nós como regeneração,ou seja,uma transformação tal que nos conduz à condição original de Deus para nós,trata-se da mudança ocorrida quando assumimos que Cristo tome nossa vida e a conduza em sua vontade.Cristo falando sobre a regeneração se referia aquilo que,mais tarde,Paulo nos faria conhecer melhor em Efesios 4,a partir do vers.25,nos trazendo as diretrizes básicas para uma vidas cristã bem-sucedida e para glória de Deus.No texto em questão,o apóstolo dos gentios,mostra-nos que ser cristão inclui assumir uma postura diferenciada em meio a uma sociedade corrompida com preceitos e idéias equivocadas.Jesus, falando a Nicodemos,diz que para entrar no Reino faz-se necessário que nos despojemos da velha natureza e sejamos gerados em Deus para sermos aceitos por Ele:
    "4 Mas Deus, sendo rico em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou,5 estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos),6 e nos ressuscitou juntamente com ele, e com ele nos fez sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus"(Ef.2).
    Então,o nascer de novo,a que Cristo se referia,era,na realidade,ser gerado em Deus para a prática das obras que Ele nos designou,é receber a natureza divina em nós como demonstração de que nos tornamos participantes da natureza divina(2Pe.1.4).A resposta que Jesus deu a Nicodemos não parece fazer muito sentido quando confrontamos com o comentário do fariseu,veja: "Rabi, sabemos que és Mestre, vindo de Deus; pois ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele."(v.2).A resposta,como sabemos,:necessário vos é nascer de novo...No entanto,faz todo sentido a resposta de Cristo pois o fariseu pensava que o simples fato de ter visto os milagres e maravilhas,logo pensou que o que tais milagres fazem são homens e mulheres de Deus.Jesus advertiu o religioso da mesma forma que advertiu aos discípulos afirmando que o que evidencia que somos ou não de Deus não são os sinais que nos acompanham,embora sejam necessários,mas,a evidencia que somos de Deus é um carater regenerado(Mt.7.22).Na situação,o Mestre estava mostrando duas coisas distintas:1)Os sinais não são evidencia de conversão e 2)A forma de entrar no Reino vai além de ativismo religioso,com milagres e etc.,sendo permitido o acesso por meio de uma conduta que agrade a Ele.
    2-Quebrando o mito de reencarnação:
    Acreditando que o julgamento eterno baseado em uma vida(encarnação) apenas é algo injusto e incompatível com o caráter amoroso de Deus,muitos são aqueles que crêem veementemente em idéias com as defendidas pelo espiritismo ensinado por Kardec,baseando-se,primordialmente na falsa doutrina da reencarnação.Pelo discurso que o Mestre teve com Nicodemos vemos que chegou a passar pela cabeça do nobre líder religioso algo que se assemelhou a esta idéia kardecista.Vemos isso notoriamente no vers.4:"porventura pode tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?".A explicação de Jesus foi simples e direta,dizendo que o nascimento ao qual ele se referia era um nascimento espiritual,por meio do Espírito Santo,daí chamá-lo de água e Espírito.
    A idéia do processo reencarnatório como forma de regeneração e aperfeiçoamento não vê base nas Escrituras pois a regeneração e o aperfeiçoamento espiritual são concessões de Deus,conquistadas por Cristo na cruz do Calvário.Ser regenerado não é fruto de uma série de atitudes pessoais que assumimos e seguimos,mas,o resultado daquilo que Cristo fez na cruz e deu continuidade por meio de Seu Espírito(Tt.3.5).Ainda quebrando esse mito da reencarnação,o Mestre nos mostra que,ainda que a reencarnação existisse-o que não é o caso-ela seria ineficaz na tentativa de formar no homem natural a natureza espiritual que Deus assim deseja em nós,Ele firma que:"6 O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito".Ou seja,a manifestação de uma espiritualidade genuina não teria na reencarnação um processo satisfatório para sua atuação.
    3-Como Nascer da Água e do Espírito?
    Jesus mostra a Nicodemos um caminho que aquele homem,tido como entendido,simplesmente desconhecia.Naquele dia um entendimento espiritual que Nicodemos desconhecia o envolveu de forma poderosa revelando coisas ocultas que a sabedoria humana,conferida pelo seu conhecimento natural não o trouxeram.Talvez a explicação e os conceitos trazidos por Jesus não foram entendidos pelo conceituado judeu,na realidade,poucos são os que conseguem extrair a essência daquilo que Jesus,de fato,estava falando.A nós realmente é difícil compreender a grandeza daquilo que Cristo nos falou.
    Quando ministrou acerca do tema do novo nascimento,Jesus,fez diferença daquilo que é espiritual e daquilo que é fruto carnal,da nossa natureza corrupta e vil,nessa distinção ele mostrou que para ser aceito no Reino de Deus nos é necessário ser participante da natureza divina que,como vimos,é algo gerado pelo Espírito Santo.Falando sobre a atuação do Espírito, comparou-o ao vento que'sopra onde quer',trazendo a idéia que o Espírito Santo nos conduz por em nossa vida, que tem como objetivo agradar a Deus no cumprimento de sua vontade(v.8).Então,o papel do Espírito é colocado por Jesus como primordial na vida daquele que almeja ver o Reino de Deus,pois é o Espírito Santo que nos conduz ate a volta de Cristo:
    "16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Ajudador, para que fique convosco para sempre.
    17 a saber, o Espírito da verdade, o qual o mundo não pode receber; porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque ele habita convosco, e estará em vós."(João 14)
    O caminho para ser aceito por Deus nesse Reino espiritual é dito por Jesus usando a experiência dos israelitas no deserto,com Moisés,na situação da serpente levantada pelo líder israelita.O contexto que se deu a construção da serpente e seu uso pelos filhos de Israel foi muito interessante pois todos que haviam sido mordidos pelas serpentes do deserto,olhando para a serpente de bronze,eram curados completamente.
    "8 Então disse o Senhor a Moisés: Faze uma serpente de bronze, e põe-na sobre uma haste; e será que todo mordido que olhar para ela viverá.
    9 Fez, pois, Moisés uma serpente de bronze, e pô-la sobre uma haste; e sucedia que, tendo uma serpente mordido a alguém, quando esse olhava para a serpente de bronze, vivia."(Números 21)
    Da mesma forma nós,estamos manchados pelo pecado,'mordidos' por satanás e seus demonios e Jesus Cristo,que está no nosso deserto,se ergue como o salvador eterno e vivificador daqueles que olham para Ele exaltado em Santidade(v.14-15).Olhando para Ele,somos ressuscitados tal como os israelitas no deserto,somos recebidos nesse reino glorioso,ressuscitamos para Ele e pelo Espírito vivemos em Sua presença.

    ***

    Ads


    Compartilhe!