25/10/2011

Reforma Protestante em comemoração

Os luteranos do Brasil iniciaram as comemorações rumo aos 500 anos de Reforma.No último dia 18 de Outubro em Porto Alegre,a Igreja Evangélica Luterana do Brasil e a Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil,iniciaram as comemorações pelos 500 anos da Reforma Protestante.Contando com cerca de 160 pessoas entre autoridades civis e eclesiásticas.A solenidade teve como abertura o Hino Castelo Forte,pelo Grupo Cantabile.

As comemorações pelos 500 anos acontecerão até 31 de Outubro de 2017,sendo marcada por seminários com o Tema,a criação da Praça de Lutero,em Porto Alegre e uma Caminhada Luterana.

O evento mostrou a diferença entre o tempo luterano e a época em que vivemos,contando com a presença de inúmeras personalidades,líderes,viu-se ainda,o arcebispo da igreja Católica,evidenciando que se queremos reviver alguma coisa daquele tempo,assim tá difícil,uma vez que ICAR não sofreu a Reforma,pela qual Lutero lutou.

Nota :Na seção Videos,veja o vídeo comemorativo da Reforma.

22/10/2011

Igrejas Cristãs oficialmente extintas no Afeganistão

O cristianismo no Afeganistão se faz presente desde os primeiros séculos da era cristã.Já no século 14 o cristianismo vem sofrendo declínio,chegando ao ponto de,no regime Talibã,ver seus missionários serem expulsos,Igrejas destruídas e limitação da operação do povo de Deus em realizar sua missão de sal e Luz.Uma vez que o Talibã inicia seu governo no Afeganistão,institui uma religião teocrática baseada na Sharia,segundo sua interpretação.O retrato da Igreja Afegã não é dos melhores se analisado o fato de,embora haja crescimento das conversões, esse crescimento não acompanha a doutrinação bíblica,uma vez que há repressão contínua aos que se convertem à fé evangélica.Tamanha é a dificuldade de desenvolver uma fé oposta ao regime muçulmano que observamos o rigor da Lei àqueles que buscam uma religião distinta.Isso fica patente no art.3 da constituição que diz:"Nenhuma lei pode ser contrária à crença da sagrada religião do Islã.".Uma vez que todos os afegãos são considerados islâmicos,a apostasia (abandono da fé ) e a consequente conversão a outra religião,podem levar o réu a morte como resultado da condenação.

Nessa semana,porém,vimos uma notícia muito triste e digna de oração e intercessão,dizendo que a Igreja Cristã,como instituição,havia sido extintas oficialmente segundo dados do Relatório do Departamento de Estado dos EUA,mostrando que o Afeganistão não conta mais com Igrejas (templos) abertos a público,não tem instituições de ensino cristãs,rádio,tv,nada.Sobre a lembrança da estrutura da Igreja Afegã recai apenas as ruínas daquilo que um dia serviu de espaço deste povo apostólico.Embora o regime Talibã tenha sido derrotado pelos EUA,a evolução nos direitos Humanos não alcançaram ritmos satisfatórios.

Se,porém,por um lado a estrutura da Igreja está inexistente,por outro,a Igreja vive crescimento,tem conversões,a Igreja experimenta a vida que emana do Cristo.Sabendo que nós somos o edifício de Cristo,nós somos a Igreja,é que os cristãos de lá tem vivido,apesar das limitações e impedimentos.Devido os impedimentos,tais crentes são extremamente cuidadosos no exercício de sua fé, sabendo que aqueles que os entregarão aos tribunais serão principalmente seus próprio familiares.

O mais irônico de toda essa situação é o fato de num país temos irmãos perseguidos, mortos, sentenciados e repudiados unica e exclusivamente por uma característica que também possuímos: a marca de Cristo. Enquanto temos liberdade para pregar,falar,ir e vir a Igreja a hora que queremos,temos irmãos tendo de se esconder por ser crente.Enquanto aqui o neófito seria conhecido com crente,bíblia,ou até fanático na pior das hipóteses aqui,lá ele será chamado de apóstata,infiel,numa sociedade que já determina,segundo a vontade de "Alá",segundo a vontade de Deus,que rumos seus filhos devem seguir.

Outro ponto interessante é que até mesmo a designação -Alá-já foi foco de discussões e motivo de perseguição na Malásia,tendo de ser julgado o direito ou não dos crentes chamarem a Deus de Alá,uma vez que não há outro nome equivalente para "Deus".Uma vez julgada a sentença,o mais alto tribunal da Malásia determinou que os cristãos também tem o direito de se referir ao seu Deus como Alá.Não é necessário dizer que os muçulmanos não se viram satisfeitos pois consideram que o nome Alá pertence a eles exclusivamente e incendiaram igrejas como protesto.Numa clara demonstração da perseguição de nossos irmãos,enquanto nós estamos numa situação muito confortável...

18/10/2011

Santa Reforma Protestante,onde está vosso tesouro?


Já perto do 31 de Outubro,sou impelido a lembrar-me da Reforma Protestante iniciada por Lutero.Lembrada pela maioria como apenas um evento histórico que quebrou os paradigmas católicos e retirou o mundo das trevas,esquecemos que o maior legado que a Reforma nos proporcionou foi,sem dúvidas,a volta ao cenáculo apostólico.Através de uma reflexão bíblica e verdadeira,Lutero mostrou-nos que os rudimentos nos quais estávamos inseridos eram incompatíveis com o preceito bíblico e era possível um relacionamento pessoal com Deus sem as imposições católicas.Lembrar do dia 31 de Outubro de 1517 é muito mais que considerar que Lutero foi o Elias de uma geração dominada pelo engano espiritual,é,antes,avaliar nossas posturas,valores, e o próprio cristianismo que estamos vivendo em nossos dias.Quando iniciou o movimento,afiançado exclusivamente pelo Espírito Santo e sendo direcionado por Ele,Lutero viu a idéia básica da fé,definido como Os Cinco Solas,ser confirmada pela ação divina a seu favor.

Observando a fundo os motivos da Reforma,vemos que desde o período apostólico até o evento das 95 Teses, o Cristianismo autêntico sempre se manteve ardente no meio dos crentes,mesmo após o apogeu do catolicismo romano,iniciado com Constantino,unindo a então Igreja de Cristo a Roma,falindo,assim,no propósito básico de ter Cristo acima de sua Igreja.Mesmo com esse casamento malígno,os fiéis se mantiveram na fé genuína,opondo-se aos gradativos desvios doutrinários.Nomes importantes que foram fundamentais para manter a pureza da Igreja,pouco são lembrados hoje,sequer são mencionados nos púlpitos e Escolas Dominicais,lembro-me,por exemplo,de John Wycliffe,precursor da Reforma,Jon Huss,que proclamou uma das mais fortes profecias do espírito de alguém que está com a vida no Altar,à beira de ser queimado disse: "Vocês  hoje estão queimando um ganso(seu nome na língua boemia) mas dentro de um século se encontrarão com um cisne,e este cisne não poderão queimar." Essa profecia é muito bem aplicada a Lutero quando 102 anos mais tarde fixou as 95 Teses em Wittemberg,este cisne não puderam calar.

O discurso dos Reformadores da Igreja,é tão indispensável a nós,hoje,como o foi há séculos antes.Já não é uma ruptura com o catolicismo que necessitamos,mas,uma ruptura com os rumos que o Protestantismo tem seguido nestes últimos tempos.Vemos toda sorte de idéias,práticas,pregações e filosofias que não são legítimas ao arraial cristão.Como em Wittemberg,necessitamos visualizar nas portas da Catedral as teses que se fundamentam no Evangelho,é preciso que observemos muito bem o caminho que temos seguido,pensando que é o caminho divino,e voltar à ideologia forjada no cristianismo autêntico.O interessante quando leio sobre os Heróis da Fé,é que todos eles tinham uma idéia firmada e que não admitia espaço para um meio termo,não admitiam que de alguma forma fizessem parcerias com o mundo,não,de maneira nenhuma,ou era ou não era e pronto.Não se punham entre dois pensamentos,a idéia era uma só.

Lembrando da Reforma Protestante,eu me pergunto onde ela foi parar e quando sua essência será percebida por nós.Em meio a uma fé vazia que põe nossas vontades no centro de tudo,desprezando a vontade de Deus,vemos que as multidões marcham rumo a um céu de ouro e cristal [aqui] na terra.Já não são os bens espirituais que valem alguma coisa,já não é o testemunho cristão que deve fazer parte da vida dos crentes,mas,onde os valores se inverteram há corrupção,e é isso que vemos por aí.Pregações totalmente opostas ao ensino evangélico,valendo-se do inconcebível para atrair as multidões.Como em 1517,é imperativo a essência que muitos tem perdido:




  • Sola fide (somente a fé);
  • Sola scriptura (somente a Escritura);
  • Solus Christus (somente Cristo);
  • Sola gratia (somente a graça);
  • Soli Deo gloria (glória somente a Deus).

  •                                         Deus abençoe... e Feliz Reforma...
    * * *

    04/10/2011

    Condenação por ser Rei dos Judeus

    "26 Por cima dele estava escrito o título da sua acusação: O REI DOS JUDEUS."
    Marcos 15


    Quando lemos os textos sagrados,observamos que no sentido espiritual,quando Cristo é sentenciado à morte,ele recebe esta sentença porque era o cordeiro de Deus,separado com a finalidade de levar os pecados da humanidade,e,dessa forma,ser açoitado e morto de forma vil e terrível era o cumprimento do rito que mostrava a atuação dele como aquele que leva o pecado do mundo.Entretanto,ao observarmos atentamente o relato bíblico,atentamos para um relato especial do entendimento legal da condenação humana de Cristo.Se, por um lado,ele havia sido condenado por levar os pecados nossos,por outro,aqueles que o condenaram,só o fizeram por um único motivo:por ele ser o Rei dos Judeus.Essa era a sentença pela qual os homens o condenaram.Não foram os milagres no sábado,as curas na sinagoga,o perdão da pecadora,dos samaritanos,que o colocaram no banco dos réus,não.A única coisa que o condenou foi ser o SENHOR de seus acusadores.

    Não achando acusações contra o Messias,o condenaram por ele ser quem,de fato,era,Rei dos Judeus,aquele que foi descrito, muito antes de Pilatos proferir sentenças,muito antes de César estabelecer seus governos,em Isaías 9.6 e Salmo 2.6,como Cristo aquele que seria o Senhor de todas as coisas.Pilatos ao observar toda balbúrdia iniciada pelo incômodo dos religiosos pela pregação de um que se dizia [pensavam os céticos] o Cristo,não perde a oportunidade de perturbar os religiosos com o reconhecimento pessoal de que ele era,visto pelo governante,como aquele que veio anunciar o ano aceitável de Deus.Desprezando o clamor dos incircuncisos de coração,Pilatos responde firmemente:'O que escrevi,escrevi' (João 19.22).Imaginem que não havia temor nenhum no impenitente governador em reconhecer o governo daquele que era apenas o réu naquela situação toda.

    O grande problema,porém,é que muitos temos tido o mesmo comportamento daqueles que nos precederam, agimos com a marca de que Cristo é o Rei,é o SENHOR,mas,não o tiramos da cruz,não o transportamos entregando tudo a Ele em reconhecimento de seu poder e governo.Sobre ele estava sua acusação e a acusação era unicamente ser o Rei de seus acusadores,ainda hoje Cristo tem sido  colocado como o nosso 'rei' e não o deixamos governar nosso ser,não o colocamos como o dominador de tudo.Ele tem sido reconhecido como nosso SENHOR,mas, de SENHOR nosso,ele só tem a inscrição,só tem uma breve anotação,apenas uma memória... Era o mesmo que acontecia com os judeus religiosos que o condenaram,eles tinham algo que assegurava que eram de Cristo,que Cristo governava aquele povo,mas,na verdade,sabemos que não era bem assim.Havia uma inscrição dizendo o governo dele,mas,só a inscrição...

    Compartilhe!