31/08/2011

Igreja,Cultura e Secularismo-O pós Modernismo e suas sutis operações nos crentes



Quando olhamos para os rumos que levaram o passado a construir uma história de glórias,vemos que é incontestável a atuação de um pensamento coletivo que moveu a sociedade da época a tomar atitudes que levaram a História a ser conhecida por nós como ela é.É inegável que o pensamento e a forma de interpretar o mundo em que vivemos é determinante para as atitudes que iremos tomar diante das situações que se nos apresentam.A geração que vivemos é caracterizada por muitos estudiosos como Pós Moderna.Trazer uma explicação desse termo tão lindo é difícil pois não há consenso entre o que,de fato,representa e o que engloba.Decerto o único consenso é que essa Era, que tem sua Gênese após a queda do Muro de Berlim,engloba uma postura do Homem voltada mais para o seu próprio ser,sem,contudo,descobrir mais de si mesmo,é uma postura individualista, ansiando cumprir seus desejos e,o ponto mais perigoso à Igreja é a secularização causada pelo relativismo moral e ético que é característico desse tempo trabalhoso que vivemos.Tratando o conceito de certo e errado baseando-se unicamente no senso comum,a opinião bibliológica não é tratada como regra de fé,e,não somente de fé,mas,também,de conduta e comportamento.

Em cada período da História humana vemos formas variadas de comportamento por parte dos grupos que nos precederam.É interessante notar que em todo tempo houveram e existiram os grupos que vemos hoje em dia,fizeram parte das sociedades anteriores a nós.Como pois,explicar o crescimento de algumas culturas que eram,até bem pouco tempo,hostis a nossa compreensão e estranhas ao nosso conceito de certo e errado?É sabido que o movimento LGBT,o movimento de Ateus, e grupos que eram tidos como de menor expressão,já existiam e eram,ainda que limitadamente,organizados entre si.A crescente influência que tais grupos,ou tais culturas, tem trazido aos outros grupos é fruto de uma característica básica desse tempo que é a tolerância (muitas vezes aparente eu sei!) que os outros grupos tem exercido perante as demais culturas existentes nessa sociedade.Quem imaginaria,por exemplo,que a Pregação Evangélica poderia ser incrivelmente compatível com as posturas adotadas por homossexuais (ainda que,biblicamente, incompatível...)?A mesclagem ou cruzamento entre idéias tão opostas evidencia claramente que as ideologias adotadas e defendidas veementemente por nossos antecessores não foi preservada,em sua essência,por uma geração que tem na "coexistência" a convivência pacífica entre diferentes formas de pensamento e expressão desse pensamento.Nessa adaptação ou importação de conceitos de outros grupos fica claro que o objetivo magno é alcançar adeptos para este ou aquele grupo.

Quando falamos em pós Modernidade e Igreja, temos um choque profundo que influencia, atualmente,muitos crentes e seguidores do evangelho pregado por muitos.Desprezando a forma de governo apostólico,que é baseado nas Escrituras Sagradas,muitos tem guiado sua vida unicamente naquilo que julga ser,para si,o melhor e mais correto.Com a existência 'pacífica' entre as diferentes formas de pensamento e culturas da sociedade os conceitos adotados pela Igreja tornaram-se,para muitos,dignos de revisão e adaptação para fins diversos.A migração de idéias, como resultado de uma crise nas ideologias não teve na Igreja oposição justamente porque,para muitos,a Cruz referida por Jesus Cristo não é aprazível(na verdade nunca foi!) e,por isso,ficou ainda mais fácil abrir mão de usos e costumes que faziam parte da cultura evangélica do grupo chamado Protestante.O maior de todos os problemas,porém, não é abrir mão dos usos e costumes,até aí tudo bem,o problema é quando a doutrina,que é imutável,torna-se objeto de livre interpretação baseada não em regras ortodoxas e convencionais,mas,em uma resposta que venha satisfazer a necessidade deste ou daquele grupo.É na Doutrina que vemos o maior problema de uma sociedade pós Moderna,numa igreja pós Moderna,que põe em descrédito a Mensagem que diz defender.

16/08/2011

"Evangélicos sem Igreja"- Crer sem Pertencer


Não é de hoje que temos visto crentes que não tem nenhum vínculo com denominação eclesiástica. Conhecidos como "desigrejados" por muitos, estes 'irmãos', segundo pesquisa do IBGE (preliminar), seguem preceitos e rituais sem, contudo, pertencer a uma denominação. Um exemplo clássico dessa postura é o casal Kaká e sua esposa Carol, que saíram da Renascer no fim de 2010 e, desde então, não pertencem a nenhuma Igreja. Seguem este exemplo algo em torno de 14% daqueles que se declararam evangélicos no Brasil.O número,representa um aumento de 10% em relação ao último resultado.Estes,que não pertencem a nenhuma denominação,tomaram esta postura por diversos motivos,que não foram esclarecidos pela pesquisa,no entanto,como sabemos,o cristianismo é a religião que mais possuem desistentes em todo o mundo,ou seja,é no nosso meio religioso que o maior número de afastados se concentra.
O movimento vem tomando força por se mostrar muito intenso em nossa sociedade.Em matéria veiculada na Época de Agosto de 2010,o tema foi tratado(com erros,claro!) mostrando a desilusão que leva muitos crentes a não pertencer a uma denominação. Tamanha é a complexidade disso tudo que até mesmo foi criada uma nomenclatura para a definir,sendo designado pela socióloga britânica Grace Davie como 'crer sem pertencer',eles não frequentam igrejas,ou se curvam a lideranças,seja bispo, apostolo, pastor, evangelista, missionário, etc, etc,etc...
O problema dessa postura é que ela se mostra anti-bíblica,anti cristã e,obviamente,uma demonstração clara de não submissão à autoridade apostólica conferida por Jesus ao edificar sua Igreja,é,na realidade,o pecado da rebeldia.A recomendação de Paulo vai na contra mão dessa postura anti denominacionalismo afirmando e recomendando:
"25 não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia."(Hebreus 10)
A postura adotada por tais pessoas é errada e não faz parte do cumprimento efetivo do Evangelho de Jesus Cristo.Sair da cobertura pastoral,apostólica,é ir contra o mandamento de Cristo:
"18 Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do hades não prevalecerão contra ela"(Mateus 16)
"15 Depois de terem comido, perguntou Jesus a Simão Pedro: Simão Pedro: Simão, filho de João, amas-me mais do que estes? Respondeu-lhe: Sim, Senhor; tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeirinhos."(João 21)
Deus Abençoe...
***

13/08/2011

Necessário vos é Nascer de Novo-Nascer da Água e do Espírito Santo

Certamente um dos encontros mais célebres que Jesus teve em sua caminhada terrena foi,sem dúvidas,a tida com Nicodemos,importante mestre da Lei que,simplesmente, desconhecia as reinvidicações espirituais contidas nas Escrituras.O interessante de quando os fariseus estavam junto do Mestre é que procuravam extrair-lhe alguma porção de sabedoria a fim de se tornar foco da pregação de seus sábados na sinagoga.Jesus em sua demostração de ensinador das coisas espirituais,revelava princípios que os mais entendidos não tinham noção nenhuma.Na palestra que teve com Nicodemos ficou patente a importância que o Mestre dava ao acesso a um Reino Celestial. Desprezando debates inúteis trazia a nós,e a eles,como ser aceito por Deus e ter perfeito acesso a um Reino de glória eterna.Falando de como ser aceito pelo Altíssimo tocou num dos temas que se tornaria o cerne da pregação apostólica e,também,o ponto inicial de toda pregação messiânica,se tratava justamente do 'nascer de novo'.
1-Entendendo o Termo usado pelo Mestre:
Quando Jesus Cristo falou da questão de nascer de novo estava tratando de uma situação conhecida por nós como regeneração,ou seja,uma transformação tal que nos conduz à condição original de Deus para nós,trata-se da mudança ocorrida quando assumimos que Cristo tome nossa vida e a conduza em sua vontade.Cristo falando sobre a regeneração se referia aquilo que,mais tarde,Paulo nos faria conhecer melhor em Efesios 4,a partir do vers.25,nos trazendo as diretrizes básicas para uma vidas cristã bem-sucedida e para glória de Deus.No texto em questão,o apóstolo dos gentios,mostra-nos que ser cristão inclui assumir uma postura diferenciada em meio a uma sociedade corrompida com preceitos e idéias equivocadas.Jesus, falando a Nicodemos,diz que para entrar no Reino faz-se necessário que nos despojemos da velha natureza e sejamos gerados em Deus para sermos aceitos por Ele:
"4 Mas Deus, sendo rico em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou,5 estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos),6 e nos ressuscitou juntamente com ele, e com ele nos fez sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus"(Ef.2).
Então,o nascer de novo,a que Cristo se referia,era,na realidade,ser gerado em Deus para a prática das obras que Ele nos designou,é receber a natureza divina em nós como demonstração de que nos tornamos participantes da natureza divina(2Pe.1.4).A resposta que Jesus deu a Nicodemos não parece fazer muito sentido quando confrontamos com o comentário do fariseu,veja: "Rabi, sabemos que és Mestre, vindo de Deus; pois ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele."(v.2).A resposta,como sabemos,:necessário vos é nascer de novo...No entanto,faz todo sentido a resposta de Cristo pois o fariseu pensava que o simples fato de ter visto os milagres e maravilhas,logo pensou que o que tais milagres fazem são homens e mulheres de Deus.Jesus advertiu o religioso da mesma forma que advertiu aos discípulos afirmando que o que evidencia que somos ou não de Deus não são os sinais que nos acompanham,embora sejam necessários,mas,a evidencia que somos de Deus é um carater regenerado(Mt.7.22).Na situação,o Mestre estava mostrando duas coisas distintas:1)Os sinais não são evidencia de conversão e 2)A forma de entrar no Reino vai além de ativismo religioso,com milagres e etc.,sendo permitido o acesso por meio de uma conduta que agrade a Ele.
2-Quebrando o mito de reencarnação:
Acreditando que o julgamento eterno baseado em uma vida(encarnação) apenas é algo injusto e incompatível com o caráter amoroso de Deus,muitos são aqueles que crêem veementemente em idéias com as defendidas pelo espiritismo ensinado por Kardec,baseando-se,primordialmente na falsa doutrina da reencarnação.Pelo discurso que o Mestre teve com Nicodemos vemos que chegou a passar pela cabeça do nobre líder religioso algo que se assemelhou a esta idéia kardecista.Vemos isso notoriamente no vers.4:"porventura pode tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?".A explicação de Jesus foi simples e direta,dizendo que o nascimento ao qual ele se referia era um nascimento espiritual,por meio do Espírito Santo,daí chamá-lo de água e Espírito.
A idéia do processo reencarnatório como forma de regeneração e aperfeiçoamento não vê base nas Escrituras pois a regeneração e o aperfeiçoamento espiritual são concessões de Deus,conquistadas por Cristo na cruz do Calvário.Ser regenerado não é fruto de uma série de atitudes pessoais que assumimos e seguimos,mas,o resultado daquilo que Cristo fez na cruz e deu continuidade por meio de Seu Espírito(Tt.3.5).Ainda quebrando esse mito da reencarnação,o Mestre nos mostra que,ainda que a reencarnação existisse-o que não é o caso-ela seria ineficaz na tentativa de formar no homem natural a natureza espiritual que Deus assim deseja em nós,Ele firma que:"6 O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito".Ou seja,a manifestação de uma espiritualidade genuina não teria na reencarnação um processo satisfatório para sua atuação.
3-Como Nascer da Água e do Espírito?
Jesus mostra a Nicodemos um caminho que aquele homem,tido como entendido,simplesmente desconhecia.Naquele dia um entendimento espiritual que Nicodemos desconhecia o envolveu de forma poderosa revelando coisas ocultas que a sabedoria humana,conferida pelo seu conhecimento natural não o trouxeram.Talvez a explicação e os conceitos trazidos por Jesus não foram entendidos pelo conceituado judeu,na realidade,poucos são os que conseguem extrair a essência daquilo que Jesus,de fato,estava falando.A nós realmente é difícil compreender a grandeza daquilo que Cristo nos falou.
Quando ministrou acerca do tema do novo nascimento,Jesus,fez diferença daquilo que é espiritual e daquilo que é fruto carnal,da nossa natureza corrupta e vil,nessa distinção ele mostrou que para ser aceito no Reino de Deus nos é necessário ser participante da natureza divina que,como vimos,é algo gerado pelo Espírito Santo.Falando sobre a atuação do Espírito, comparou-o ao vento que'sopra onde quer',trazendo a idéia que o Espírito Santo nos conduz por em nossa vida, que tem como objetivo agradar a Deus no cumprimento de sua vontade(v.8).Então,o papel do Espírito é colocado por Jesus como primordial na vida daquele que almeja ver o Reino de Deus,pois é o Espírito Santo que nos conduz ate a volta de Cristo:
"16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Ajudador, para que fique convosco para sempre.
17 a saber, o Espírito da verdade, o qual o mundo não pode receber; porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque ele habita convosco, e estará em vós."(João 14)
O caminho para ser aceito por Deus nesse Reino espiritual é dito por Jesus usando a experiência dos israelitas no deserto,com Moisés,na situação da serpente levantada pelo líder israelita.O contexto que se deu a construção da serpente e seu uso pelos filhos de Israel foi muito interessante pois todos que haviam sido mordidos pelas serpentes do deserto,olhando para a serpente de bronze,eram curados completamente.
"8 Então disse o Senhor a Moisés: Faze uma serpente de bronze, e põe-na sobre uma haste; e será que todo mordido que olhar para ela viverá.
9 Fez, pois, Moisés uma serpente de bronze, e pô-la sobre uma haste; e sucedia que, tendo uma serpente mordido a alguém, quando esse olhava para a serpente de bronze, vivia."(Números 21)
Da mesma forma nós,estamos manchados pelo pecado,'mordidos' por satanás e seus demonios e Jesus Cristo,que está no nosso deserto,se ergue como o salvador eterno e vivificador daqueles que olham para Ele exaltado em Santidade(v.14-15).Olhando para Ele,somos ressuscitados tal como os israelitas no deserto,somos recebidos nesse reino glorioso,ressuscitamos para Ele e pelo Espírito vivemos em Sua presença.

***

10/08/2011

Valdomiro Santiago é o novo dono das madrugadas da BAND,retirando Silas Malafaia com proposta irrecusável à emissora




Quando a gente pensa que já viu de tudo aí é que somos surpreendidos.Uma denominação que surgiu como dissidente dos métodos adotados por Universal S/A,colocando-se como opositora aos costumes da denominação,tem se mostrado pior que qualquer uma das neo pentecostais do mundo! A Igreja liderada por Ap. Valdemiro Santiago se propõe a pagar o dobro do valor pago por Silas Malafaia nas noites da BAND,numa proposta irrecusável à emissora.Após flertar com o SBT e namorar outros veículos de comunicação a liderança da Mundial se levantou contra o tele evangelista de maior credibilidade no cenário brasileiro,retirando,por meio do dinheiro,alguém que,apesar dos erros,sempre mostrou coerência em suas posições e posturas.

COMENTÁRIO:

Quando um pastor da IURD se rebela contra sua liderança,seja regional ou nacional,ou mesmo em casos de infidelidade à Igreja,logo iniciam seus próprios trabalhos e lideram suas próprias denominações.Nesse emaranhado de denominações que surgiram como dissidentes da Universal a mais pujante,e,até então,a menos voltada para a imagem da IURD sempre foi a Mundial,justamente porque enfatizava uma experiencia com Deus através de milagres de cura e não com relação de trocas com o Altíssimo.O DNA,porém,"macedônico" sempre esteve presente no sentido de dominar o "mercado eclesiastico " vencendo a Universal S/A em número de povo que participava das reuniões.O propósito nisso tudo é, sem dúvidas, projetar ainda mais a denominação ganhando assim, visibilidade e espaço além de crescimento financeiro e etc...


02/08/2011

A Atitude de Fé




1 Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem.(Hebreus 11).
É lastimável que no meio evangélico hajam pessoas capazes de toda sorte de atrocidade, visando o dinheiro,e se escorando em respaldo nada ortodoxos caracterizando atitudes tolas como ato de fé.Obviamente que as atitudes de fé devem fazer parte da vida daquele que crê,mas,devemos nos lembrar que a atitude de fé é,acima de tudo, algo expontaneo,ou seja,não é algo dado como direção de alguém,é uma demonstração exterior que evidencia a nossa fé e,é uma atitude que ofertamos segundo aquilo que dispomos em nossas mãos e em nossa vida.Entendemos essa questão da atitude de fé como algo expontaneo como na situação da 'mulher pecadora' relatada por Lucas, que deitou aos pés de Jesus o bálsamo que dispunha e,sem nenhuma dor na consciência, manifestou sua fé ofertando aquilo que era o seu melhor (Lc.7.37-38).Isso é atitude de fé,não é algo orquestrado,é uma atitude onde o intuito magno é adorar a Deus materializando a fé.
Neste tema de tentar definir fé,muitos se perdem levando ao povo um conceito equivocado daquilo que realmente é o sacrifício agradável a Deus.O grande e real sacrifício a Deus é quando nos despojamos daquilo que não agrada ao SENHOR e nos posicionamos humildemente como servos fiéis numa atitude de total devoção e submissão à sua vontade,este foi o entendimento espiritual que Davi recebeu assim que se sentiu justificado por Deus(Sl.51.16-17).Muitos,no entanto,tem tido uma fé sincera e submissa e não tem alcançado aquilo que tem buscado e,logo, começam a nutrir dentro de si frustração tal que põe em questionamento sua própria fé em Deus,imaginando que não tem agradado ao SENHOR plenamente,sentem que algo tem faltado em sua caminhada com o Espírito Santo.Como o Deus de Gideão pode não nos conceder suas bênçãos em meio a uma fé revoltada?Pessoal,pelo amor de Deus!Lembremo-nos que a bênção de Deus não é conquistada por algo que eu ou você façamos,mas,a bênção de Deus é fruto,não de nossos méritos,por melhores que sejam,porém é fruto do sacrifício de Jesus na cruz.O simples fato de estarmos inseridos no plano de salvação,fazendo parte do Corpo de Jesus,já nos garante uma herança concedida por Deus(Rm.8.17;Gl.3.29).Note que a bênção não depende daquilo que eu faça,mas,é fruto daquilo que foi conquistado na cruz,é fruto da graça de Deus!
Incontáveis são,sem dúvida alguma,as bênçãos de Deus,no entanto,há aquelas que nunca iremos desfrutar na nossa vida...Não pense que sou cético,mas,temos que analisar de modo muito cuidadoso essa questão pois nem tudo que nós desejamos o SENHOR nos concederá,ainda que o propósito seja o melhor do mundo,ainda que a intenção seja linda e maravilhosa.Prova disso que estou afirmando é o próprio exemplo de Davi,que com a intenção muito boa de construir o Templo,não viu seu plano consumado por uma intervenção do próprio Deus, mostrando que ainda que os projetos sejam bons e válidos,nem tudo Deus nos permite conquistar.A justificativa talvez não seja muito convincente a nós haja vista que àquela altura o rei de Israel já estava limpo e purificado por Deus,mas,mesmo assim,não teve permissão para ser o edificador de uma Casa ao Deus de Israel(1Cr.17).Naquela situação até o profeta Natã libera uma palavra que,a princípio,era agradável pois mostrava que a idéia era realmente boa(v.2).Assim acontece com muitos de nós,ou com todos nós,melhor dizendo,pois Deus nos concede toda sorte de bênçãos,mas,há,ainda,uma 'árvore do conhecimento' que não podemos tocar,que não iremos desfrutar,a menos que optemos por sair da vontade de Deus para nossa vida.
Obviamente que não estamos incentivando ninguém a ter uma fé no pensamento,viver de teoria, pelo contrario,por meio do entendimento correto,devemos exercer a nossa fé através de uma atitude de sujeição ao mandado divino,ou seja,a verdadeira fé,a fé viva,é aquela que nos move a ter uma entrega total aos desígnios de Deus simplesmente com o intuito de adorá-lo,pois,para Deus a fé que é aceita é aquela que se baseia na crença da justiça incontestável de Deus(Rm.4.5).
Sem dúvidas,a parte mais intrigante das dádivas adquiridas por meio da fé,é aquela que mostra que Cristo,quando concedeu milagres e os associou à fé,não os estava associando a algo inacreditável que alguém tenha realizado.Unicamente a fé era o que chamava a atenção do Mestre de Israel.No caso da mulher que tocou em Cristo,na orla do manto,e foi curada,Jesus não disse que foi o tocar no manto,mas,a fé que,obviamente,foi manifesta,que a curou e salvou(Mt.9.22),o chefe da sinagoga adquiriu a cura da filha somente pela fé,a fé bastou e pronto! Jesus lhe disse:"...crê somente"(Lc.8.50-55),glória a Deus!se aqueles que não eram da fé adquiriam dádivas tão gloriosas,quanto mais nós,que já nos curvamos ao Evangelho!Não precisamos praticar obras mortas pra chamar a atenção de Cristo,a nossa fé chama à existência os milagres que precisamos(Hb.9.13-14).Lembremos que,com a salvação,bênção decorrentes dela se manifestam em nós(Hb.6.9).
***

Ads


Compartilhe!