26/07/2011

Haja unção!!!

Um evento que muito me agrada(va) era a Conferencia Apostólica.A última,realizada até o dia 16 de Julho,contou com alguns dos grandes e polêmicos pregadores do Brasil e do mundo.Não foi a presença de Aline Barros,Estêvão Hernandes,Bispa Sônia, mas, foi a 'pregação' de Renê Terra Nova,no último dia de ministrações ,que me chamou atenção.Ministrando acerca da 'mente do povo apostólico',trouxe a visão de que através da mente de Cristo em nós temos uma visão diferenciada,o que nos possibilita vencer todos obstáculos.Até aí,tudo bem...o problema foi quando o 'apóstolo' começou a ministrar 'a torto e a direito'.Numa dessas disparadas de vitórias instantâneas, sem que percebesse,'ungiu' a bispa Sônia por engano a apóstola(!!!),dizendo:"apóstola do avivamento" e aí,meu querido, o povo que estava no auditório foi à loucura...Quando Estêvão chamou a bispa para ministrar ofertas,muitos foram os que gritaram 'apóstola Sônia'.
Depois desse momento,foi a vez do apóstolo Hernandes tomar posição na situação afirmando que respeita a posição e visão do nobre colega,mas,não é a visão seguida pela Renascer,o que após estas palavras,causou silêncio no ginásio.Ou seja,a 'unção apostólica' sobre a bispa durou apenas alguns minutos e,logo,retomou sua 'antiga unção'.A verdade é que,do mesmo modo que o congresso dos Gideões sempre lança o pensamento que vai se tornar a 'onda do momento' em algumas Igrejas,a Conferencia Apostólica,que surgiu com propósitos até válidos,se tornou algo onde ministros muito 'poderosos' e até uma profetisa(Eliana Isaac-Canadá) concede bênçãos e mais bênçãos àqueles que pagaram a taxa de apenas R$ 50 para Goiânia.

19/07/2011

Ainda somos sal da terra e luz do mundo!

"13 Vós sois o sal da terra; mas se o sal se tornar insípido, com que se há de restaurar-lhe o sabor? para nada mais presta, senão para ser lançado fora, e ser pisado pelos homens."(Mateus 5)

No último mês realizamos uma enquete perguntando aos nossos leitores,que perguntava o que temos visto em tempos de centenário assembleiano e ,também,dos 140 anos batista.Buscamos saber se,na opinião deles,as posturas apoiadas pela Igreja de Jesus ultimamente eram algo digno de louvor ou se essas mudanças evidenciavam uma falta de visão espiritual daquilo que seria ser o sal da terra e aluz do mundo.Hoje,vemos igrejas promovendo toda sorte de eventos,com a justificativa do fator evangelístico buscando acrescer membros abrindo mão de nossos valores e costumes que nos tornavam distintos do mundão.
O que mais chamou a atenção de todos nós foi a certeza de todos que as mudanças sofridas no decorrer dos 100 anos de pentecostalismo não são entendidas pelos irmãos como algo benéfico,ou seja,se a idéia era expandir e proclamar o Reino de Cristo mais acessível a todos ,esse propósito não foi alcançado com essas mudanças.Talvez essa percepção de muitos leitores seja encarada pelos mais 'modernos' como algo ultrapassado e um pensamento que não deva ser aplicado.No entanto,esse pensamento está em perfeita sintonia com aquilo que Jesus,há dois mil anos,tinha daquilo que é a Igreja ideal,a Igreja que glorifica a Deus,o Pai.O grande problema é que o pensamento do Mestre não agradou no passado por ser tido como algo hipócrita,passando,diziam, a falsa idéia da necessidade de uma separação espiritual para sermos aceitos por Deus e,hoje,vemos dentro das Igrejas muitos que querem moldar as vestes da noiva segundo seu próprio pensamento.Sobre o nosso pensamento,ficamos com as Palavras de Jesus citadas acima.
Que Deus nos guarde em nome de Jesus e que essa chama pequena, que ainda não se apagou, permaneça em nós!

17/07/2011

Tá muito mundado...

Há muito tempo atrás,o que os crentes ouviam era apenas Vencedores por Cristo,Grupo Logos e, é claro,hinos da Harpa Cristã e do Hinário cristão.As roupas das varoas era bem discreta e não expunha o corpo das irmãs.A piedade era cultivada como algo inerente à vida cristã e o apego aos bens materiais não era o alvo dos nossos irmãos.O Cristo que muitos estão pregando é mais um 'papai noel' dos crentes pós modernos,realizando os sonhos mais carnais destes.O estilo de vida dos crentes,que era bem discreto e voltado às coisas de cima,do alto,dos céus,passou a não influenciar o mundo ao seu redor,buscando as mesmas coisas que os não crentes buscam,adotando posturas e comportamentos que eram tidos como seculares.Hoje muita coisa mudou e saiu dos trilhos.

A preservação da cultura evangélica nas igrejas manteve-se ,por exemplo nas músicas,não deixando que tais coisas adentrassem em nossos portais,no entanto,o ritmo mundano e que prioriza mais o instrumental pesado que as letras inspiradas e espirituais,que eram capazes de falar profundamente aos corações.Quem quiser,pode,hoje,ouvir,pelas vozes de cantores evangélicos famosos,o som de funk,pagode,samba,até mesmo,uma batida estranha que lembra a batida dos tambores africanos(se é que você me entende...).
Os valores espirituais,que são a marca de um povo apostólico e santificado a Cristo,evidenciados no fruto do Espírito,já não são tão buscados como os bens desta terra.Hoje,se aprende mais rápido a buscar as dádivas materiais que as características de um verdadeiro cristão,de um verdadeiro crente em Jesus.A prioridade espiritual tem sido,em muitos casos,desprezada pelos ensinos equivocados de pregadores mais modernos.
Finalmente,o Mestre que impactou Nicodemos com seus ensinamentos e conduta irrepreensivel, tem tido sua carater profanado por muitos que acham que Jesus,por meio de seu sacrifício na cruz,adquiriu somente todos os desejos imagináveis do suplicante.O acesso ao Pai tornou-se,para muitos,um acesso a um trono de concessões plenas de desejos.A idéia de um evangelho de cruz e calvário não faz parte do pensamento de muitos crentes que,apoiando-se na cruz do salvador,entendem que se Cristo sofreu foi para que nós não sofrêssemos nadinha nesta vida terrena,pensam que Jesus venceu o desemprego,a fome,a miséria na cruz,e não mais a morte e o inferno.Aquilo que Jesus conquistou foi algo espiritual e irrevogável a nós.Uma conquista espiritual que nos concede a salvação e uma vida livre do pecado.
De fato,muita coisa mudou...Que eu e você não sejamos vencidos por essas mundanças!

14/07/2011

Era dia de crucificação



Era tido como profeta,um santo homem de Deus,que trazia revelações sobrenaturais e ainda curava a muitos.No dia em que os juízes acharam acusações contra ele,todos nós ficamos perplexos com tal acontecimento,nem tanto pelas acusações,mas,pelo fato de ostentar o título supremo de 'Homem de Deus'.Só de pensar que as realizações sobrenaturais do profeta vinham de forma contraria àquilo que os opositores nos apresentavam,era difícil não aceitar as acusações que os magistrados nos diziam a respeito daquele que era,até então,o maior profeta que nosso povo já viu.Nos portamos como curiosos desenformados que,a cada momento jogavam fora cada milagre que aquele acusado nos havia concedido.Sobre nós caía o julgo e a opressão de duvidar daquele que realizou o impossível.
Desprezou os advogados,não questionou a sentença,não resistiu à prisão.Todas essas atitudes demonstravam a nós que ele era,de fato,culpado de tudo que era acusado pois, de outra forma,não se colocaria como desamparado perante os seus opositores.Seria um tremendo embate político se aquele profeta reivindicasse seus direitos.Enquanto olhávamos,vimos que,talvez,ele não fosse tão inocente diante das acusações.Ainda que as evidências não apontassem efetivamente para sua culpa,contendo apenas algumas testemunhas e uma acusação cheia de falhas e falta de elementos.Mas,o que dizer daqueles que o julgaram?Os mais sábios e respeitados doutores que temos como juízes e doutores da Lei,de conduta irrepreensível,tendo nas costas apenas algumas acusações arquivadas,nada que fora comprovado.Sobre o réu cai todo o rigor da Lei que nós respeitamos e seguimos,um apóstata que não hesitou em profanar nossos costumes mais íntimos e,o pior,colocou em dúvida a nossa capacidade de julgar com retidão e verdade.A maior de suas façanhas foi,sem dúvida,nos pôr à prova naquilo que mais temíamos em nossa vida.
Naquele dia de julgamento o mais difícil não era duvidar da verdade naquele homem,o mais difícil era ver seu semblante calmo,sereno e tranquilo olhando a cada um de nós e apontando nossas fraquezas e nossos erros e nos mostrando, de alguma maneira que não sei como,que aquilo tudo era em favor de um benefício maior e que a sentença dele atingia,de alguma forma,a nossa vida.Durante todo aquele tempo ele não amaldiçoou,blasfemou ou reivindicou alguma coisa àquele que afirmava ser Seu Pai,dono de Reinos e Domínios.Não se apresentou como um embaixador político ou portador do envio real.Apenas falava coisas que não o ajudavam nisso tudo,dizendo que Seu Pai é Rei,mas,de um Império Espiritual,afirmava ser um salvador a nós,mas,ainda estávamos sobre o domínio dos romanos,nada disso tinha muito sentido a nós todos...Através daquela fábula tentava persuadir as multidões por onde passava,na realidade, havia uma certeza,uma confirmação naquilo que ele falava,parece que quanto mais falava, suas Palavras incendiavam nosso ser de modo sobrenatural operando em nós.Talvez por isso muitos eram curados e mudavam suas vidas,e passavam a segui-lo por aí.Se fosse definir,por mim mesmo,quem era aquele homem,a definição que mais se aproximaria é,sem dúvida,de alguém cheio de graça.Contudo,naquele dia,isso não fazia diferença para ninguém...Nem mesmo para mim!
***
Continua...
LEIA A CONTINUAÇÃO:

08/07/2011

O Evangelho da Regeneração



Todos cremos no poder que é liberado por meio do Evangelho de Jesus a nós quando nos comprometemos realmente com a vocação que nos foi concedida pelo Mestre. Através desta parte do Livro de Atos estaremos abordando temas de extrema relevância no agir do Evangelho de Cristo com o fim de regenerar-nos.

Texto Bíblico: Atos 9.1-18

1-A Função do Evangelho:

Nas Palavras do próprio Mestre, aquilo que Ele anunciava pelas ruas de Jerusalém e arredores eram muito mais que meramente um manual de conduta ou coisa do gênero. Jesus trazia,por meio de suas palavras,toda a vida que emana do trono de Deus(Jo.6.63).O salmista,quando na contemplação,se apercebe dos benefícios que a Palavra lhe trouxe,declara que,por meio dela,alcançou vida(Sl.119.93).Esse poder capaz de transformar o homem somente se dá por meio do Evangelho pois é nele que Deus se revela a nós como sendo aquele que justifica e vivifica o homem(Rm.1.17).O mesmo não ocorria com a Lei justamente porque esta era incapaz de trazer regeneração a quem quer que seja,pois a operação e abrangência da Lei era limitada em seus efeitos,ela apenas apontava para propósitos espirituais maiores,que seriam revelados em Jesus,por meio do Evangelho(Gl.3.24).Em se tratando de regeneração,a única fonte capaz de produzi-la é o Evangelho de Jesus.

A mensagem central que norteava toda a pregação da Nova Aliança era apenas uma: arrependei-vos e crede no Evangelho. Essa mensagem era defendida por João Batista (Mt.3.2),por Cristo(Mc.1.15) e pelos Apóstolos(At.3.19).A mensagem era tão simples e,ao mesmo tempo,carregava consigo operações espirituais extraordinárias na vida daquele que cria e seguia aquilo que era ministrado pelos servos de Deus que mantinham firmes as palavras do Mestre,o santo Evangelho.No decorrer de Atos vemos uma das operações do Evangelho,que é a capacidade de salvar aquele que crê(Rm.1.16).Outro ponto é a retribuição da mensagem evangélica por meio de sinais,prodígios e maravilhas,ou seja,uma vez que a mensagem do verdadeiro Evangelho é proclamada,os sinais são iminentes(Fp.1.17;1Ts.1.5).

Impossível falar no poder regenerador da Palavra sem citarmos personagens-chave no processo de transformação pela mensagem de Jesus. Como o texto bíblico sugere,prosseguiremos estudando sobre Paulo,o Apóstolo.

2-Alvo da Graça e Misericórdia:

Ao final de cada carta, o apóstolo Paulo sempre libera ao povo de Deus uma porção da graça (1Co. 13.13), não era por acaso que isso acontecia, pois ele era conhecedor de que é por meio da graça de Deus, em Cristo, que somos aceitos e alcançamos bênçãos espirituais. Pulo sabia perfeitamente que tudo que ele era e realizava era fruto da graça de Deus nele e não o resultado de suas habilidades e conheci mento humanos(que não eram poucas).O Apostolo mais reverenciado no meio religioso entendia que o favor de Deus operou nele e por meio dele de forma singular(1Co.15.10) porque sendo,outrora,um terrível pecador era necessário que a graça,que esse favor,fosse superior a todo pecado no qual ele estava amarrado(Rm.5.20).

Saulo de Tarso era um dos grandes opositores da fé evangélica nos tempos dos apóstolos. Não o afetava matar os crentes unicamente por conta de sua fé em Cristo, bem como usar de mais crueldades em perseguições e repressões em nome da crença judaica que tinha,o farisaísmo.Enquanto ia a caminho de Damasco,com o intuito de prender os cristãos e levá-los a Jerusalém.Naquele percurso,uma manifestação espiritual do próprio Cristo lhe sobreveio,carregado de temor caiu em terra e reconheceu a magnitude daquilo que seus olhos viam e seu espírito sentia pela presença daquele Galileu que inflamou a Jerusalém de Herodes.Sua conversão foi totalmente distinta daquelas que a precederam pois se fazia necessário que o próprio Jesus se fizesse conhecer a ele,haja vista pensar que tudo que realizava estava de acordo com aquilo que o Deus de Abraão,Isaque e Jacó desejava.

Aquele encontro foi o pontapé inicial da conversão de Saulo, foi ali que ele conheceu a quem ele estava perseguindo (9.4), ali ele tomou conhecimento da verdadeira vontade de Deus. Provando de forma muito especial da graça do SENHOR,Saulo perdeu sua visão carnal e passou a depender da visão espiritual que Deus implantaria posteriormente nele.O chamado de Saulo não era apenas algo superficial,mas,o seu ministério já estava traçado no momento de sua conversão (9.15).Os três dias de jejum e cegueira culminaram da aceitação por Deus,regeneração e batismo no Espírito Santo(9.18).

3-Os Resultados do Evangelho da Regeneração:

Já nos primeiros capítulos de Atos, vimos que o poder do Evangelho era tamanho que conversões em massa ocorriam unicamente pela proclamação da mensagem evangélica. Em Atos 2,por exemplo,vemos a regeneração se consumando quando,por meio da pregação,inúmeras pessoas se batizam em confissão pública de fé e compromisso de seguir as pisadas de Jesus(v.41).O poder da regeneração não deve ser entendido como algo limitado pois é por meio deste agir especial do Espírito que somos lavados e purificados(Tt.3.5),ou seja,é ser gerado espiritualmente pelo próprio Deus(Ef.4.24).Vejamos aquilo que o poder do Evangelho produz:

· Vida sem condenação (Cl. 2.13-15): Como no exemplo de Paulo, tudo aquilo que era algo que o impediria de se tornar alvo da graça de Deus, caiu por terra dando lugar aquilo que Deus tinha como propósito na vida dele mesmo;

· Mente liberta e renovada (Rm. 12.2): Uma parte muito importante da regeneração de Paulo, que deve também fazer parte da nossa é, sem duvida, a mudança no entendimento dele e de sua forma de pensar diante dos problemas e diante de situações diversas;

· Libertação do pecado (Rm. 6.14): A mensagem de libertação trazida pela Palavra abrange a sujeição exclusiva a Deus, desprezando todo vínculo com erros e pecados;

· Liberdade total e completa (2Co. 3.17; Gl. 5.1,13): O poder liberado pelo Evangelho quebra todo tipo de opressão e jugo,assim como aconteceu com Saulo no momento que uma palavra fora liberada sobre ele,onde todas as escamas caíram por terra (At.9.18).

4-Perseguição como Resultado da Fidelidade:

A forma de sermos recebidos e aceitos por Deus em nossa vida é quando ,na adversidade,em meio às dificuldades,damos por Ele graças e não negamos seu nome,nisto consiste a garantia de nosso galardão(Mt.5.10-12).O caminho de Cristo é marcado por situações das mais diversas para que não prossigamos na fé,é um caminho extremamente estreito(Mt.7.14),ou seja,quando assumimos compromisso com a causa de Cristo a adversidade é certa(2Tm.3.12).Paulo,assim que se converteu recebeu o chamado de ser testemunha da ressurreição no ministério apostólico junto aos doze.Seu chamado foi confirmado não somente pelos sinais,mas,também,pela perseguição que seguiu a Paulo,o apostolo.

O inicio do ministério paulino foi marcado por uma conspiração a fim de mata-lo por conta de sua conversão ao Evangelho e,também,pela propagação do evangelho de forma veemente desta verdade espiritual que agora fazia parte dele(9.23).O socorro de Paulo se deu por parte dos apóstolos,mesmo que duvidassem da veracidade de sua conversão(9.25-26).

O ponto mais interessante acerca da perseguição aos que são da fé é que ela opera de maneira inversa em nós,pois,ao invés de nos desanimar na caminhada crista,nos reveste de ousadia tal que não nos permite olhar para elas.Era dessa forma que Paulo estava,apos a perseguição não foi um sentimento de derrota que o tomou,mas,a certeza de que a manifestação do Espírito o acompanharia ,assim como as perseguições o acompanharam(9.29),o que ,posteriormente,ele mesmo testificaria dos benefícios de ser testemunha de Cristo em qualquer situação(2Tm.2.11-12).

5-Conclusão:

Tudo aquilo que ocorreu com Paulo foi fruto da mensagem redentora do Evangelho e de seu poder regenerador na vida daquele que crê.

05/07/2011

Batimo Assembleiano tem 82 mil novos crentes


Como parte das comemorações do Centenário assembleiano,no último dia 12 de Junho foi realizado o batismo em águas com o intuito de receber,como novos crentes,em todas as Igrejas Assembléia de Deus ligadas à CGADB (Convenção Geral),um número em torno dos 100.000 novos crentes em nossa denominação em todo o Brasil.Segundo os veículos de informação da Igreja,algo em torno de 82 mil almas desceram as águas batismais em nossas Igrejas(número que pode ser maior pois os dados não são definitivos).Olhando do ponto de vista de visão ministerial,essa iniciativa das ADs realizarem um planejamento estratégico sobre as comemorações do Centenário já demonstra que as visões ultrapassadas adotadas por alguns pastores,bem como a falta de unidade(afirmada por muitos) entre a denominação no Brasil caiu por terra quando unindo a história de sangue e perseguições sofridas pelos crentes pioneiros na fé pentecostal com a visão de uma Igreja bem consolidada que resistiu às duvidas lançadas por muitos que questionavam a veracidade da mensagem que pregamos.Os céus tem se aberto em resposta às suplicas realizadas continuamente por assembleianos de todo o Brasil e fora pelos propósitos lançados.
Tudo que as ADs tem visado realizar no decorrer deste ano comemorando nosso centenário, mostra não somente que a Igreja marcha unida num mesmo propósito e que mesmo com nossas diferenças é possível glorificar a Deus da maneira que fomos ensinados e aprendemos em nossos ministérios.Aquilo que a Igreja tem feito mostra que uma nova visão tem norteado o entendimento dos nossos pastores e líderes,mostra que a Igreja,antes vista como sem planejamento e sem voz,apenas carregada de costumes e imposições fanáticas,é,hoje,uma denominação respeitada com líderes de expressão no cenário nacional e de reconhecido trabalho,não somente espiritual,mas,também,contemplando as demais esferas da necessidade humana,agindo nos seminários,casas de apoio,creches,e toda sorte de trabalhos sociais ao redor principalmente do Brasil.E,finalizando,independente daquilo que se apresenta para dizer que o Centenário tem sido um vexame ou coisa vergonhosa para o Evangelho,digo que tamanha é a glória deste momento que até mesmo o mundo,que se opõe as verdades bíblicas,tem reconhecido nossa importância.

Ads


Compartilhe!