06/10/2012

Teu governante, TEU reflexo...


"6-Aprovarei os que são fiéis a Deus e deixarei que morem no meu palácio.Aqueles que vivem uma vida correta poderão trabalhar para mim.7-Nenhum mentiroso viverá no meu palácio; nenhuma pessoa fingida ficará na minha presença." (Salmo 101)

Certamente que fazer escolhas é algo muito difícil.Avaliar opções,prevendo e supondo possíveis resultados,os quais julgamos favoráveis,é uma tarefa muito complicada uma vez que aquilo que aparentemente tem tudo para dar certo pode,da noite para o dia,ruir, cair por terra,mesmo com toda a avaliação de risco que fizemos ao tomar esta ou aquela decisão.Entretanto,pior que precisar escolher entre uma e outra (ou outras) opções que envolvem situações da vida, da família, etc, é escolher pessoas.Avaliar pessoas é algo que muitas vezes nos traz infelizes resultados e incalculáveis decepções.

Temos,diante de nós,que avaliar cotidianamente aqueles que nos rodeiam, precisamos avaliar as posturas dos profissionais que trabalham conosco, avaliar a atmosfera que cerca nossos familiares, avaliar os riscos que assumimos ao escolher este(a) ou aquele(a) que dividiremos nossa vida,tudo com base numa observação baseada nos conceitos que temos, identificando, no outro, características que satisfaçam nossa procura,que satisfaçam aquilo que esperamos para o posicionamento onde desejamos colocá-lo(a).Ao votar em um candidato,por exemplo,fazemos uma escolha que -em tese- é aquela que se encaixa com o perfil de governante que esperamos que seja nosso representante(Os.4.9).E,podemos ir mais longe ainda,é o nosso candidato, um reflexo nosso,aquele em quem votamos é a imagem nossa mesma.Votamos em "A" ou "B" porque vemos nele alguém que nos entende,compreende, alguém que suprirá os anseios que temos a respeito da nossa sociedade.

"9-Por isso,como for o sacerdote,assim será o povo." (Oséias 4)

Deus,em sua infinita  misericórdia e liberdade de escolha que nos concede, deixou-nos um regime democrático,no qual Ele deseja operar de forma a coordenar e direcionar nossos governantes para que tenhamos a vida que Ele planeja para seus filhos.O SENHOR tem o intuito de usar os governos para que,efetivamente, estes sejam instrumentos de bênçãos na vida do povo.As nossas escolhas,porém,nos conduzem a um período infrutífero e que prevalece a corrupção,falta de Ética, gestão fraudulenta,entre outras coisas que são,nada menos,frutos de escolhas erradas que fazemos na escolha daquele que será nosso representante nos Governos.

"2 Só prevalecem o perjurar, o mentir, o matar, o furtar, e o adulterar; há violências e homicídios sobre homicídios."(Oséias 4)

Os resultados de uma escolha mal feita são vistos claramente numa gestão que não supre os anseios que realmente os cidadãos precisam.Vemos que, na escolha específica que Israel fez ao eleger Saul para o Trono,desprezando a escolha divina,ao optar pelo mais "bonitinho" e mais simpático,carismático e tal,colheu frutos péssimos daqueles momentos que Saul governou sobre si.Isso no lado que diz respeito gerencial,olhando para a questão espiritual, vemos que Israel foi levado para uma situação espiritual que não agradava a Deus e que se opunha à autoridade profética e perseguia aqueles que eram genuinamente fiéis a Deus, sob a liderança do rei escolhido pelo dedo do povo.O rei,ao cogitar a possibilidade de ter sido rejeitado pelo Espírito Santo,como aconteceu,logo tentou frustrar o plano divino perseguindo aquele que era claramente o Eleito de Deus para governar Israel e colocar aquela humilde tribo como uma poderosa Nação nas mãos do servo escolhido .

Daí vemos que Deus tem seu intuito realizado quando homens fiéis são levantados pelo povo;nessa hora, Deus realiza seu plano guiando os governantes que são sensíveis à sua voz.Os frutos que Davi colhera foram tremendos,colocando Israel como uma potência, respeitada e,mais que isso,temida por seus vizinhos,não pela sua grandeza(embora fosse algo que trouxesse temor),mas, pela certeza de que a mão de Deus era com eles.Davi faz prosperar aquela Nação (2Sm.24.9) e fez que sua importância perante as demais se tornasse algo que glorificou a escolha divina(2Sm.8).

As nossas escolhas,então,mostram aquilo que temos dentro de nós,quando escolhemos um determinado candidato,estamos,na realidade,escolhendo aquele que é nosso próprio reflexo,estamos votando em nós mesmos.Prezado leitor (e eleitor...) note bem as escolhas que você fará,veja muito bem quem é aquele que despertou o seu interesse,avalie se realmente esta escolha é a mesma que glorificará a Deus,veja se a tua atitude não é a mesma dos israelitas que,escolhendo errado,pereceram profundamente.Se,depois desta análise,você perceber que é preciso optar por algo que corresponda ao apelo que Deus grita em Sua Palavra,não tenha medo em mudar.Lembre-se: A atitude deste dia 07/Outubro/20012, se fará refletir nas nossas vidas e trará ou não bons frutos na nossa vida.

Nas palavras de Bertold Brecht:

"Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual. Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural nada deve parecer impossível de mudar."


* Bom 07 de Outubro a todos,vote consciente pelo amor de Deus! *

Compartilhe!