23/12/2014

2014 - O Ano após os protestos [parte I]

2014: O Ano após os protestos

O ano de 2013 foi marcado por algo que há muito tempo não se via na democracia brasileira: a presença da população nas ruas novamente. Em meio ao regime democrático,conquistado há 30 anos, após 20 anos do Governo Militar, o País havia chegado em 2013 sem as práticas de outrora. Como aqueles que costumavam realizar movimentos populares de massa, ou manipular as massas para tais ações ditas populares haviam chegado ao poder em 2002, com a eleição de Luis Inácio Lula da Silva, o Lula, o Brasil sentiu-se representado (a maioria pelo menos...) por um governo popular que seria o provedor supremo de suas carências e o salvador desta pátria corrompida pelo ‘capitalismo’. 

No momento que um governo de esquerda chega ao poder, há sempre uma crença em muitos que o foco do governo será nas pessoas, será em questões que beneficiarão a sociedade no sentido de aniquilar entre outras coisas a desigualdade que,na concepção da esquerda, é fruto do capitalismo. Obviamente num primeiro momento, com o governo de Lula, o Brasil sentiu que estaria vivendo este suposto advento de uma classe média, fruto de uma ação efetiva do governo na sociedade que permitiu um salto na vida das pessoas, permitindo que, por exemplo, um negro cursasse uma faculdade, algo tido como inimaginável por muitos, embora saibamos que muitos negros cursavam faculdade, eram ricos, etc, muito antes da presença do pt no poder. Mas, sentiu-se que havia uma melhora. Vale salientar que Lula somente logrou êxito em seu governo pois baseou seu modelo econômico nos princípios do Plano Real, iniciado pelo então Ministro da Fazenda Fernando Henrique Cardoso em 1994 que, posteriormente, seria Presidente do Brasil por dois mandatos. Apesar de tudo, no período do governo Lula, a manutenção da política econômica não sofreu mudanças, o que beneficiou o País, inegavelmente. O problema surge em sua criação,eleita por ele sua sucessora. E Dilma foi a escolhida, como bem sabemos, não por que Lula acreditava em sua competencia, obviamente que não! Toda a cúpula do pt encontrava-se envolvida no Mensalão, aquele que era até então, o maior escândalo de corrupção de nossa história brasileira, e Dilma era aquela menos suja naquela questão toda, pelo menos aparentemente... e foi escolhida para sucedê-lo, e assim, Lula, o chefe da organização petista deu mais esse mal para os brasileiros. 

Dilma em menos de 4 anos, provou de diversas forma e maneiras sua incompetencia, e a cada momento ficava mais evidente aquilo que era realmente o projeto do pt: instaurar um governo totalitário em terra brasileira através de medidas sutis e aparentemente inofensivas. Decretos que restringiam liberdades e cada vez mais colocavam o Governo Federal como o centralizador do poder, principalmente do poder econômico, bem como uma relação de verdadeira promiscuidade com a Câmara e Senado, trocando favores com parlamentares para que as ideias petistas fossem aprovadas pela Casa. E aos poucos a sociedade compreendia que as conquistas principalmente no campo econômico estavam se perdendo. E, chegamos em 2013, com os anúncios de aumentos em passagens de ônibus em SP e no RJ,bem como em outros Estados e Capitais pelo Brasil.

Ao som de ‘Não é pelos 0,20 centavos’, a sociedade foi para as ruas gritando por mudanças que significassem benefícios para os brasileiros. De fato, parecia realmente que não era apenas pelos 20 centavos, mas, também, por uma política mais limpa, por gastos mais transparentes e, claro, por uma compreensão daquilo que realmente é prioridade para a população, num repúdio claro aos gastos com a estrutura para a Copa do Mundo. E,assim, milhões de brasileiros foram às ruas em protesto a fim de viver um Brasil melhor.

As manifestação de 2013 ocorreram em todo o Brasil, em todas as capitais, e pairava uma dúvida no ar: “Tais manifestações seriam seguidas de alguma resposta significativa nas urnas, visto que 2014 era Ano Eleitoral?”. As reivindicações, como sabemos, pedia que Dilma saísse, levasse todo mundo que não prestava junto com ela, além de pedirem, num determinado momento, a saída do Deputado e Pastor Marco Feliciano, então presidente da Comissão de Direitos Humanos, o qual resistiu enquanto pôde... Aos poucos as manifestações foram ficando sem o menor sentido, visto que muitos passaram a reivindicar questões relacionadas aos direitos LGBT, na tentativa de que o Estado legitimasse a prática homossexual como algo que a sociedade deva aceitar como a coisa mais normal do universo, isso sem contar da famosa frase:” Feliciano não me representa”, que foi proferida de forma mais que imbecilizada por muitos, e,obviamente, para estes, ele não os representava claro. Com isso tudo, associado à descrença no movimento após a morte do cinegrafista da Rede Bandeirantes no Rio, Santiago Andrade, atingido criminosamente por um rojão, ficou claro que quem não representava os brasileiros era de fato aquele movimento anarco/esquerdista,patrocinado diga-se de passagem, por partidos políticos dos quais bem conhecemos, que andam de mãos dadas com o pt.

E, passada a Copa, tida como a “Copa das Copas”, a vida voltou ao normal e ninguém se lembrava demais nada, apenas do histórico 7 a 1 que humilhou a seleção brasileira em sua própria terra.

Em 2014, a corrida eleitoral nem bem havia começado e todos fomos surpreendidos com a triste notícia da morte do socialista Eduardo Campos, de Pernambuco, que tinha como vice de sua chapa ninguém menos que Marina Silva, aquela mesma que havia dado dor de cabeça ao pt em eleição passada e,logo, ela passou a ser vista como predestinada a governar este País, largando com vantagem nas pesquisas, tirando o candidato tucano Aécio Neves da disputa e mantendo-se durante várias semanas no segundo turno das eleições segundo as pesquisas,mas, já próximo do Primeiro Turno das eleições, visivelmente abalada pelos ataques do pt, a candidata demonstrou que era necessária uma reação efetiva a este governo petista e,o eleitorado, identificou no mineiro Aécio a força capaz de trazer esta reação. Nos debates, Aécio sempre se saía melhor, dada a visível incapacidade de Dilma que não conseguia responder uma pergunta simples sem antes consultar sua apostila devidamente preparada por seu marqueteiro. E, com uma diferença mínima, Dilma é reeleita herdando toda sua própria herança maldita de corrupção, mentiras, e uma Petrobrás despedaçada pelo próprio governo petista que tanto usou a estatal afirmando diversas vezes que era propósito do PSDB privatizá-la a exemplo da Vale do Rio Doce. E, pensando bem, se assim tivesse sido feito, pouparia o Brasil de tal vergonha mundial, de ver sua maior empresa envolvida no maior escândalo de corrupção já visto na história.

*Texto extraído do Jornal Verdade Profética Edição 02/2014. Reproduções são autorizadas nos Termos descritos neste Blog.

Ads


Compartilhe!