04/08/2014

O Templo de Salomão sob outro olhar

Editorial




Na última semana, vimos a inauguração do grandioso Templo de Salomão, erguido pelo sonho do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, bispo Edir Macedo. Após inúmeras pesquisas em grandes revistas, sites, canais, grandes meios de comunicação, apenas um dentre todos os grandes (com exceção da Rede Record), observou o empreendimento sob a perspectiva de algum ganho para São Paulo. Mas será que realmente somente existem pontos negativos? 

Bem sabemos que,para a Igreja Cristã, nada importa resgatar a arca da Aliança, ou mesmo as colunas do Templo, visto que a Lei de Moisés foi abolida no momento que Cristo é crucificado, Consumando toda a justiça de Deus e ressuscita ao terceiro dia. É, para que não sabe, uma atrocidade teológica para uma Igreja Neotestamentária, tentar voltar, ou remontar aquilo que o próprio Senhor Jesus já demonstrou há mais de 2 mil anos ser ineficiente para salvar ou mesmo restaurar o homem. Nesse sentido, pelo olhar espiritual, realmente não há legado, não há virtude.

Por outro lado, há uma análise racional necessária: O benefício à Cidade de São Paulo com uma obra tão suntuosa. Ninguém pode negar que há um benefício explícito do ponto de vista cultural, e da valorização do ambiente e comércio local. Trata-se inegavelmente de um ponto cultural, mais um ponto turístico dentro da Cidade, não admitir isto é algo que não se deve fazer a nenhum grande empreendimento,como é o caso. 

Mas muito falou-se no custo de Templo (R$ 600 milhões), argumentando que não era válido direcionar uma quantia relativamente considerável para algo deste gênero, um argumento facilmente questionável pois trata-se de algo financiado com dinheiro que não é público, e por outro fato interessante: O custo da construção do Templo, quando confrontado com a reforma do Maracanã, por exemplo, para adequá-lo àquilo que a Fifa queria, custou para o contribuinte algo em torno de R$ 1,3 bilhão, só de estádios de futebol, com reformas, e construções chegamos ao valor de R$ 8,9 bilhões pagos por nós, tanto por aqueles que amam futebol quanto por aqueles que não sentem nenhuma falta em assistir algum jogo (como é o meu caso!), então, todos pagamos! No caso do Templo de Salomão, tudo foi pago pelos fiéis, membros da IURD que acreditaram, abraçaram a ideia e por muitos que,embora não fossem da igreja, acharam por bem doar e ver este projeto erguido. 

Podemos ter divergências teológicas, ou mesmo na funcionalidade espiritual para a igreja um local destes,mas, vejamos também os pontos positivos, que são inúmeros!

#paz #verdade_profética

Compartilhe!