26/07/2016

Subsídios da Lição 07: O evangelho no mundo acadêmico e político


SUBSÍDIO TEOLÓGICO

"Arqueólogos revelam que os quatro jovens devem ter estudado por exemplo: língua caldeia, textos cuneiformes em caldeu e acádio, uma vasta gama de resumos sobre religião, magia, astrologia e ciências, além de falarem e escreverem em aramaico. Aproveite para mostrar aos alunos que quando o nosso compromisso com Deus é forte, isso não significa necessariamente que seremos corrompidos por uma educação pagã, numa sociedade pagã" 

(RICHARDS, Lawrence 0. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capitulo. lO.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p. 513).



SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO

"Daniel resolveu desde o início não se contaminar. Não abriria mão de suas convicções, mesmo se tivesse de pagar com a vida por isso. Note-se que Daniel não tinha agora a presença dos seus pais para orientá-lo nas suas decisões; mas seu amor a Deus e à sua lei achava-se de tal modo arraigados nele desde a infância, que ele somente desejava servir ao Senhor de todo coração.
Aqueles que resolvem permanecer fiéis a Deus, enfrentando a tentação, receberão forças para permanecerem firmes por amor ao Senhor. Por outro lado, aqueles que antes não tomam a decisão de permanecer fiéis a Deus e à sua Palavra, terão dificuldade para resistir ao pecado ou evitar conformar-se com os caminhos do mundo" (Lv 19.29; 21.7,14; Dt 22.2)" 

(Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, p. 1244).



SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO

A Religião Babilônica
"Com a ascensão da supremacia da cidade da Babilônia, Marduque, o patrono da cidade, tornou-se a principal divindade do panteão babilônico. Uma festa de ano novo chamada de festa de 'akitu' era realizada anualmente em sua honra, na qual uma batalha simulada entre o rei e o dragão das profundezas era encenada repetidamente para comemorar a primitiva vitória de Marduque sobre o caos.

O propósito da festa era anunciar o ano novo com um ritual para assegurar paz, a prosperidade e a felicidade por todo o ano.

Outras divindades adoradas pelos babilônicos eram Anu, deus do céu; Enlil, deus do vento e da terra. Ea, deus do submundo-juntos, eles formavam uma tríade de divindades. Outra tríade importante era Sin, o deus-sol de Ur, e Harã, os primeiros abrigos da família de Abraão; Sarnas, a divindade do sol; e Istar, deusa do amor e da guerra, equivalente à Astarte dos fenícios, Astarote mencionada na Bíblia, e Afrodite dos gregos. Outras divindades significativas foram Nabu, o deus da escrita e Nergal (irmão de Marduque), o deus da guerra e da fome.

Os deuses da Babilônia eram, em sua origem, personificações das várias forças da natureza. A religião babilônica era, dessa forma, uma adoração à natureza em todas as suas partes, prestando homenagem a seres super-humanos que eram ao mesmo tempo amigáveis e hostis, com frequência representados por formas humanas, animais" 

(Bíblia de Estudo Pentecostal. led. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, pp. 213,1697).

Leia ainda:

Download da lição 07:




Lições já disponíveis em PDF: 
Lição 01 - O que é Evangelização [4SHARED] [GOOGLE DRIVE]
Lição 02 - Deus, o Primeiro Evangelista [4SHARED] [GOOGLE DRIVE]
Lição 03 - Igreja, Agência Evangelizadora [4SHARED] [GOOGLE DRIVE]
Lição 04 - O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas [4SHARED] [GOOGLE DRIVE]
Lição 05 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias [4SHARED] [GOOGLE DRIVE]
Lição 06 - A Evangelização dos grupos desafiadores [4SHARED] [GOOGLE DRIVE]
Lição 07 - O evangelho no mundo acadêmico e político [4SHARED] [GOOGLE DRIVE]

Ads


Compartilhe!