19/05/2016

Lição 03 - A Justificação, somente pela fé em Jesus Cristo (subsídio)

INTRODUÇÃO
I – A JUSTIFICAÇÃO MANIFESTADA (Rm 3.21-26)
II – A JUSTIFICAÇÃO CONTESTADA (Rm 3.27-31)
III – A JUSTIFICAÇÃO EXEMPLIFICADA (Rm 4.1-25)
CONCLUSÃO


Para explicar a doutrina da Justificação pela fé, o apóstolo Paulo usa dois tipos de linguagem na carta: a do judiciário e a do sistema de sacrifício levítico. Como o apóstolo pretende convencer o seu público leitor, os judeus, bem como os gentios, de que mais do que observar o sistema de Lei como requisito para a salvação, Deus havia manifestado a sua graça justificadora lá no tempo da Antiga Aliança por intermédio do pai da fé, Abraão, o apóstolo afi rma com todas as letras: portanto, é pela fé, para que seja segundo a graça, afim de que a promessa seja fi rme a toda a posteridade, não somente à que é da lei, mas também à que é da fé de Abraão, o qual é pai de todos nós. [...] Pelo que isso lhe foi também imputado como justiça” (Rm 4.16,22).

Dessa forma, o apóstolo argumentava ao judeu de que, mesmo o gentio não tendo a Lei, a condição do gentio em relação a Deus em nada é inferior ao do judeu. Em Jesus, pela fé mediante a Graça de Deus, o gentio é fi lho de Abraão por intermédio da fé, que é pai tanto do judeu quanto do gentio achado por Deus (Rm 4. 9 - 13).

A linguagem judiciária da Justificação

Ser justificado por Deus é ser inocentado por Ele mesmo da condição de culpado pelos atos. Ou seja, o indivíduo não tem quaisquer condições de se autodeclarar inocente ou de aliviar a sua consciência, pois sabe que nada poderá apagar a sua culpa. Por isso, Deus, em Cristo, na cruz do Calvário, nos reconciliou para sempre (2. Co 5.19). De modo que o apóstolo Paulo ratifica esse milagre: Porque pela graça sois salvos, por meio da fé e isso não vem de vós é dom de Deus (Ef 2.8).

A linguagem sacrifical da Justificação
Trocar o culpado pelo inocente. O sangue de Jesus Cristo foi derramado no lugar do sangue da humanidade. Foi a substituição vicária de Cristo Jesus por nós. Éramos culpados, mas Cristo se tornou culpado por nós éramos malditos, Cristo se tornou maldito por nós éramos dignos de morte, Cristo morreu em nosso lugar e por nós (Rm 3.25).

A linguagem judiciária e sacrifi cal da justificação nos mostra um Deus amoroso e misericordioso, que não faz acepção de pessoas e que deixa clara a real condição do ser humano, seja ele judeu ou gentio: somos todos carentes da graça e da misericórdia do Pai. Caro professor, esse trecho bíblico (3. 1-4.25) é importante para o desenvolvimento do argumento do apóstolo em sua epístola. Estude-o com rigor.

 Fonte: Revista Ensinador Cristão, Ano 17 - nº 66 – abr/mai/jun de 2016. 

Ads


Compartilhe!