07/08/2013

EBD Lição 06: A fidelidade dos obreiros do Senhor

Chegamos a sexta lição da Escola Dominical e vemos agora o Apóstolo Paulo preocupado com a comunhão e unidade da Igreja de Filipos. Naquele momento, Paulo está preso e,por conta disso, impossibilitado de visitar a Igreja que fundara em sua segunda viagem missionária (At. 16.9-40). Diante disso, o Apóstolo então decide enviar dois de seus obreiros fiéis, Timóteo e Epafrodito, para cuidar daquela Igreja até que ele mesmo possa ir (2.19-30).

I-A PREOCUPAÇÃO DE PAULO COM A IGREJA

Podemos destacar o apostolado de Paulo, demonstrados em Filipenses, de forma tríplice: Liderança comprometida com o pastorado; Mentor de novos obreiros e como um Líder que amava a Igreja. Sabendo da sedução em novas teologias e ensinos opostos aos apostólicos, Paulo deixa clara sua preocupação quanto aos que querem 'devorar as ovelhas' (At.20.29), ou seja, pessoas,com intenções que não se pautam no Evangelho que usariam a Igreja para seus próprios deleites.
Paulo apresenta à Igreja dois obreiros para auxiliar os filipenses. Primeiramente Timóteo é enviado à Igreja de Filipos, como aquele capacitado a atender as necessidades daquela igreja e,logo em seguida, o apóstolo destaca outro obreiro,dessa vez de dentro daquela congregação, Epafrodito, para manter a pureza do Evangelho dentro da Igreja.Os dois obreiros são citados por Paulo como possuindo integridade contra a avareza e os falsos obreiros (v.21).

E, finalmente, Paulo tem seu ministério marcado pelo amor que possui pela(s) Igreja(s). Infelizmente, muitos imaginam que o ministério pastoral é apenas um cargo gerencial dentro das Igrejas (e,em muitas é assim mesmo...), apenas para cuidado do Templo, dos obreiros, de escalas, músicos, enfim, e se esquecem que o fundamento apostólico é o amor às almas. Quando os líderes não se fundamentam no amor, seus ministérios são marcados pelo 'gerenciamento' do Templo, não dando atenção às sua ovelhas, colocando-as em segundo plano. - ver 2 Timóteo 2.1-26.

II-O ENVIO DE TIMÓTEO A FILIPOS (2.19-24)

Paulo então, ao enviar Timóteo, mostra aos filipenses características que o capacitava para o bom exercício do santo ministério. O apóstolo não apresenta alguém com perfil,como dissemos, gerencial, mas, humano em suas relações com o Corpo de Cristo. A escolha e envio de Timóteo, para aquela igreja, tinha como objetivo, além da certeza de Paulo do cuidado que a congregação receberia, o envio do próprio testemunho de Paulo, por meio de Timóteo, de toda a situação na qual o apóstolo estava vivenciando no cárcere, com o objetivo de mostrar a mão de Deus até mesmo nisso, dando-lhe vitórias em tudo. E, sendo considerado um filho pelo Apóstolo (1 Tm. 1.2), Timóteo pregaria o Evangelho com comprometimento a Cristo e total abnegação, como acreditava o apóstolo (v.20).
Timóteo aprendeu com Paulo a essência da liderança dentro da Igreja. Pautada no amor, a liderança cristã tem como objetivo servir à Igreja, colocando-se à disposição total do Corpo de Cristo e suas necessidades (Mt. 20.28). Além de ter um 'caráter aprovado', Timóteo tinha uma disposição de servir ao Senhor e à Igreja.Todo líder cristão precisa desenvolver uma empatia com a Igreja, tornando-se um marco referencial para toda a comunidade de fé (1Tm. 4.6-16).

III-EPAFRODITO, UM OBREIRO DEDICADO (2.25-30)

Epafrodito era grego, um obreiro local exemplar e de caráter ilibado. O apóstolo Paulo o elogia como um grande “cooperador e companheiro nos combates". Sua tarefa iniciai era a de ajudar o apóstolo enquanto ele estivesse preso, animando-o e fortalecendo-o com boas notícias dos crentes filipenses.
Epafrodito também fora encarregado de levar a Paulo uma ajuda financeira da parte da igreja de Filipos, objetivando custear as despesas da prisão domiciliar do apóstolo.
Epafrodito não levou apenas boas notícias para o apóstolo, mas também propagou o Evangelho nas adjacências da cidade de Filipos. Em outras palavras, Epafrodito era um autêntico missionário. À semelhança de Silvano e Timóteo (1 Ts 1.1-7), bem como Barnabé, Tito, Áquila e Priscila, ele entendia que, se o alvo era pregar o Evangelho, até mesmo os sofrimentos por causa do nome de Jesus faziam parte de seu galardão.
Filipenses 2.20 relata o desejo de Paulo em mandar alguém para cuidar dos assuntos da igreja em Fifipos. O pensamento inicial era enviar Timóteo, pois Epafrodito adoecera vindo quase a falecer. Deus, porém, teve misericórdia desse obreiro e o curou (v.27), dando ao apóstolo a oportunidade de enviá-lo à igreja em Filipos (v.28). Epafrodito possuía condições morais e emocionais para tratar dos problemas daquela igreja. Por isso, o apóstolo pede aos filipenses que o recebam em Cristo, honrando-o como obreiro fiel (vv.29,30). Que os obreiros cuidem da Igreja de Cristo com amor e zelo, e que os membros do Corpo do Senhor reconheçam a maturidade, a fidelidade e a responsabilidade dos obreiros que Deus dá à Igreja (Hb 1 3.17).
CONCLUSÃO
A Igreja pertence a Cristo, e nós, os obreiros, somos os servidores desta grande comunidade espalhada por Deus pela face da terra. Que ouçamos o conselho do apóstolo Pedro, e venhamos apascentar “o rebanho de Deus [...], tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho” (1 Pe 5.2,3).

Leia também.:

Ads


Compartilhe!